segunda-feira, 13 de dezembro de 2010

Josué 8:3-8 A tomada de Ai!

Após o fracasso na primeira tentativa de conquista de Ai (Js 7:4,5), era chegado o momento dado por Deus para que aquela cidade fosse conquistada. Isto ocorreu porque o povo havia retirado a maldição que havia caído sobre ele devido ao pecado de Acã, e também se santificado. Agora que o mal havia sido eliminado, o povo podia ter a garantia de vitória. Quando o povo está em perfeita harmonia com os desígnios de Deus tudo se torna fácil, mesmo porque tudo aquilo que Deus havia prometido, através de Moisés, iria se cumprir.
Josué agora estava mais cauteloso na tomada de suas posições. Deus encorajou-o dizendo que tomasse todos aqueles que estavam disponíveis para a guerra (Js 8:3). Posição bem diferente daquela que Josué havia anteriormente tomado, menosprezando o potencial do inimigo, e saindo derrotado.
Em todas as coisas Deus nos ensina lições preciosas. A diferença entre os acontecimentos de Jericó e Ai é que em Jericó Deus ordenou os acontecimentos para que Israel conhecesse o Seu poder, e em Ai para que o povo tomasse conhecimento de sua própria fraqueza. Entretanto, tanto em um como em outro caso, o poder de Deus não se alterou.
Deus havia dito a Josué que todo aquele povo estaria em suas mãos (Js 8:1). As restrições sobre os despojos, que tinham estado em vigor e haviam levado Acã à morte, já não vigoravam. Agora os despojos e todo o gado seriam para o povo de Israel. Na tomada de Jericó nada deveria ser saqueado, porém em Ai o povo foi autorizado por Deus a se apossar de tudo que pudesse (Js 8:2). Deus muitas vezes nos testa antes de nos permitir gozar de bençãos.
A estratégia dada por Deus para a conquista de Ai foi diferente. Enquanto em Jericó o povo rodeou o muro, em Ai seria feita uma emboscada por detrás da cidade (Js 8:2). O exército montado por Josué era composto por 30.000 homens valentes e valorosos (Js 8:3), que foram enviados de noite. Josué também se acautelou quando colocou 5.000 homens entre Betel e Ai, para se prevenir contra uma possível ameaça que poderia vir de Betel (Js 8:12). Era grande a confiança de Josué na estratégia divina.
A forma que Deus determinou para a conquista de Ai, após a derrota na primeira tentativa, fez com que Israel, agora vitorioso, ficasse em condições de prestar culto a Deus através do altar (Js 8:30,31).
Somente Deus tem a estratégia para nossa vitória espiritual. Através de Sua Palavra Ele nos guia por Sua santa vontade. Josué deixou este grande exemplo, buscando ao Senhor, sendo vitorioso diante de seus inimigos e triunfando sobre eles (Js 8:26). Jamais desprezemos o conselho divino para nossas batalhas espirituais, pois o Senhor conhece melhor do que nós a astúcia do inimigo.
Em Cristo,

                Tarcísio Costa de Lima

Nenhum comentário: