segunda-feira, 11 de abril de 2011

Informação!

Estou postando no wordpress!
Para acessar vá para o google e pesquise digitando: TARCISIO COSTA DE LIMA.
Atenciosamente,

                         Tarcísio Costa de Lima

sexta-feira, 4 de março de 2011

Cuidado com a INTERPRETAÇÃO BÍBLICA! parte 2

Se cada texto do Sagrado Livro possui apenas um único sentido, como descobrir se este é literal ou alegórico? E, o que fazer para não confundir interpretação com aplicação? Primeiramente, devemos saber que todo texto bíblico é literal, a menos que o contexto prove o contrário.

O que é contexto?
O contexto é formado pelos textos (versículos, capítulos ou livros) anteriores e posteriores à passagem em estudo, podendo ser imediato ou abrangente. Enquanto não ultrapassa o limite de um livro, o contexto é chamado de imediato.
No caso do texto áureo da Bíblia, João 3.16, o contexto imediato é formado por todos os versículos do capítulo ou, em uma análise mais ampla, por todos os capítulos do livro. Já o contexto abrangente pode ser remoto, englobando uma porção maior de passagens paralelas. Em resumo, o contexto da passagem em questão abarcaria: ou parte do capítulo, ou o capítulo todo, ou parte do livro, ou o livro todo, ou os quatro Evangelhos, ou todo o Novo Testamento, ou, em última análise, toda a Bíblia!

Os Dez Mandamentos

Um dos versículos mais citados pelos advogados da doutrina da maldição hereditária é Êxodo 20.5: “... sou Deus zeloso, que visito a maldade dos pais nos filhos até à terceira e quarta geração daqueles que me aborrecem”. Recorrendo ao contexto imediato, descobrimos que essas palavras foram dirigidas exclusivamente aos israelitas (vv.1,2). Conquanto os próprios versículos do capítulo sejam suficientes para refutar a tal falsa doutrina, poderíamos lançar mão, ainda, do contexto abrangente (Ez 18.4,17,20; 2 Co 5.17).
Baseando-se no mesmo capítulo 20 de Êxodo, alguns teólogos ensinam que devemos guardar o sábado (v.8). Como já vimos, o contexto imediato mostra que o texto aplica-se ao povo de Israel. Ademais, se fizermos uma análise contextual abrangente, encontraremos duas fortes razões para não guardar o sábado:
1) O Antigo Testamento confirma que a guarda do sábado devia ser observada somente pelos israelitas (Êx 31.16; Dt 5.15; Ez 20.12-20). E isso, para eles, implicava realizar todos os rituais reservados para o dia de sábado, inclusive os holocaustos (Nm 28.9,10). Eles sabiam também que a guarda do sábado era apenas um dos muitos mandamentos contidos na lei (Gl 3.10).
2) No Novo Testamento, vemos que Cristo pôs fim à dispensação da lei e inaugurou o Tempo da Graça (Lc 16.16; Rm 10.4; Jo 1.17). Hoje, temos domínio sobre o sábado (Mc 2.27) e não precisamos guardar dias, meses e anos (Gl 4.9,10; Cl 2.16). Na atual dispensação, somos justificados pela fé em Cristo (At 13.39; Rm 3.20; Gl 2.16).
Exige-se, por conseguinte, de um bom intérprete das sagradas letras que ele seja, antes de tudo, um assíduo leitor da Palavra de Deus. Afinal, como poderá recorrer ao contexto remoto, se não conhecer a Bíblia de forma global? A leitura constante e seqüencial (livro por livro) faz com que o estudioso grave em sua mente um panorama geral dos acontecimentos bíblicos, facilitando a análise contextual.

Cuidado com a INTERPRETAÇÃO BÍBLICA!

A Bíblia tem sido muito mal utilizada em nossos dias...


Basta surgir uma manifestação ou inovações, que logo aparecem “teólogos” e “hermeneutas” apresentando textos supostamente comprobatórios de tais modismos. Há pregadores usando Gênesis 18.12 para defender a chamada “unção do riso”; Isaías 5.29 para afirmar que o crente pode “rugir como leão”; Amós 4.6 para tornar bíblico o fenômeno dos “dentes de ouro”, etc.
Para compreender e interpretar corretamente a Palavra de Deus é necessário, antes de tudo, ser um verdadeiro servo de Jesus, espiritual (1 Co 2.14-16). Entretanto, a despeito de este fator ser primordial para o entendimento das revelações do Senhor (Mt 13.11), a falta de conhecimento das regras básicas da exegese bíblica tem levado muitos ensinadores da atualidade a interpretações equivocadas, desprovidas de bases contextual, teológica e histórica. Evidencia-se, a cada dia, que obreiros sinceros, mas despreparados ou mal-informados, usam a Escritura como uma mera comprovadora de ensinamentos.
A Palavra de Deus alerta: “Sabendo primeiramente isto: que nenhuma profecia da Escritura é de particular interpretação” (2 Pe 1.20). Nesta passagem, o apóstolo Pedro deixa claro que cada texto sagrado possui um único significado dentro do contexto.

Interpretação e aplicação

Antes de prosseguir, é importante diferençar interpretação de aplicação. A primeira visa a descobrir o único e verdadeiro significado de uma passagem bíblica, revelando o que o autor desejou transmitir. Já a aplicação é uma ênfase dada pelo pregador ou ensinador no momento da exposição bíblica. Segue-se que a aplicação não deve ser utilizada para a criação de doutrinas, pois não incorpora o verdadeiro significado de uma passagem.
O trecho de Lucas 10.25-37 nos oferece um bom exemplo. Na parábola em questão, Jesus enfatiza o amor para com o próximo, deixando claro o significado do texto: assim como o samaritano ajudou o homem atacado por salteadores, o cristão deve ter compaixão do próximo. Alguns pregadores, porém, dão a essa passagem outra denotação. Apresentam a parábola como uma representação da obra redentora de Jesus (o “Bom Samaritano”), fazendo, assim, uma aplicação diferente.
Ninguém está proibido de fazer aplicações bíblicas. Todavia, ao se valer dessa prática, o pregador precisa ter alguns cuidados. Em primeiro lugar, deve estar ciente de que está aplicando e não interpretando, pois muitos não sabem diferençar uma coisa da outra. Além disso, a aplicação deve ser feita de um modo que o público não a assimile como sendo a interpretação real da passagem.
Expoentes renomados costumam confundir aplicação com interpretação. Uma prática comum é a “espiritualização” de parábolas e de promessas ou mandamentos de ordem física dados exclusivamente ao povo de Israel, aplicando-os às situações de nossos dias. Tal recurso, conquanto seja válido na pregação, se torna perigoso por violar a intenção do autor, abrindo precedentes negativos no âmbito exegético.
Certo pregador, ao discorrer sobre o texto de João 15.1, usou uma aplicação no mínimo desastrosa. Segundo ele, uma vez que Cristo é a videira, e as videiras são parte da criação de Deus, segue-se que Cristo foi criado! Outro expositor, ao relatar a parábola dos dois filhos (Lc 15.11-32), concluiu que, como o filho mais novo se arrependeu e retornou à casa do pai sem o auxílio de um mediador, o homem não precisa de Jesus para se chegar a Deus!
Esses exemplos de aplicações infelizes nos levam a entender o quanto é importante saber que qualquer texto bíblico possui apenas uma significação. Se admitirmos que um trecho da Escritura Sagrada pode ter mais de um significado, franquearemos o caminho para todo o tipo de interpretação errônea. O objetivo do estudioso da Bíblia é entender a mensagem que o autor do livro, na época, quis transmitir àqueles a quem escreveu.

segunda-feira, 28 de fevereiro de 2011

Uma vez salvo, salvo para sempre?

A salvação ocorre pela graça de Deus. Mas fomos salvos pela graça para as boas obras (Ef 2.8-10). Tiago, ao contrário do que muitos pensam, estava de acordo com Paulo quanto à necessidade de o cristão verdadeiramente salvo demonstrar que é salvo pelas suas boas obras.

É preciso observar que a nossa salvação envolve três tempos e três aspectos. No passado, fomos justificados, santificados e regenerados (aspecto posicional). No presente, devemos operar a nossa salvação com temor e tremor (Fp 2.12), seguindo a paz com todos e a santificação (aspecto progressivo), sem a qual ninguém verá o Senhor (Hb 12.14). No futuro, nossa salvação será a glorificação (aspecto perfectivo); seremos libertos da presença do pecado, e não apenas de seu domínio.
Portanto, quem é salvo, hoje, deve continuar, permanecer salvo, em Cristo (1 Co 15.1,2; Ap 3.11). É um erro pensar que não é preciso fazer mais nada, depois de salvo. O salvo que se preza é mais salvo, a cada dia, posto que está mais próximo de sua glorificação (Rm 13.11).
Indubitavelmente, a salvação é pela graça, segundo a Bíblia (cf. toda a Epístola de Romanos). Por outro lado, é simplismo pensar que uma vez salvo, ainda que pela graça, salvo para sempre. Pela sua graça, Deus dá o que não merecemos, mas Ele só me deu a salvação porque eu a quis receber. Deus mesmo me capacitou para aceitá-la; deu-me a fé (Ef 2.8,9) e a possibiliade de arrependimento (At 11.18; Rm 2.4), a fim de que eu receba livremente a salvação.

A graça de Deus não exclui a minha escolha. Se qualquer salvo escolher “naufragar na fé” (1 Tm 1.19,20), ou apostatar (1 Tm 4.1), ou desviar-se, como fez Judas (At 1.25; 2 Pe 2.1,20-22), com certeza abrirá mão da preciosa salvação pela graça. Ninguém resolverá negar a Cristo na eternidade, pois estaremos em outra dimensão, glorificados (Rm 13.11; Fp 3.13,14). Estaremos libertos da presença do pecado, e não apenas de seu poder.
Não devemos permitir que a lógica humana nos impeça de pensar biblicamente (1 Co 2.14,15) e de considerar todo o desdobramento da doutrina da salvação, que abrange passado, presente e futuro. O homem possui, sim, a livre-vontade e pode rejeitar a obra de Cristo realizada na cruz. Por isso, Deus amou o mundo de tal maneira, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna (Jo 3.16). Deus é poderoso para nos guardar de tropeçar, desde que permaneçamos em Cristo (Jo 10.27,28).
O que o irmão entende por apostasia? Trata-se do abandono consciente da salvação — ou seja, é mais que heresia. Somente o crente, salvo, pode apostatar! O ímpio não tem do que se desviar, conscientemente, mas o salvo tem (1 Tm 4.1). Pode ser um equívoco pensar que uma vez salvo posso fazer o que quiser, mas é exatamente isso que fazem alguns dos que se apegam à máxima “Uma vez salvo, salvo para sempre”.
Deus sempre quis que todos se salvassem (1 Tm 2.4) e não tiraria a salvação de ninguém, posto que é misericordioso. Reitero que Ele não tirou de Esaú o direito à primogenitura. Mas Esaú a perdeu! Por quê? Porque foi profano. O próprio Inferno foi preparado para o Diabo e seus anjos (Mt 25.41), numa prova de que Deus não deseja que os seres humanos vão para lá, porém muitos homens irão para o Lago de Fogo (Ap 20.21.8; 22.15). E não irão para lá por não terem sido alcançados pela graça de Deus, e sim porque serão “julgados cada um segundo as suas obras” (Ap 20.13).
Quem é salvo pela graça de Deus é participante da natureza divina quanto aos atributos comunicáveis da deidade (2 Pe 1.4-9), e essa natureza clama por santidade, e não por pecado (Gl 5.22; Cl 3.1-17). Sem dúvidas! Mas isso é apenas o aspecto posicional da nossa salvação.
Há uma luta dentro de nós: a natureza carnal se levanta contra a espiritual (Gl 5.16-21). Quem prevalecerá? Dependerá de quem a prevalecência do homem regenerado? É preciso levar-se em conta os aspectos progressivo (no presente) e perfectivo (no futuro). Fomos salvos, estamos salvos e devemos permanecer salvos! Isso à luz da Bíblia (1 Co 15.1,2; Ap 3.11 [aqui não se trata de galardão, pois o verbo “ter” está no presente]; Mt 24.13; Ap 3.5, etc.).
O salvo pela graça caminha para glorficação (Ef 4.11-15), e não para a corrupção do pecado. Mas o salvo não é um robô programado para progredir por conta própria, a cada dia! Ele precisa crescer na graça e conhecimento (2 Pe 3.18), e isso depende de sua cooperação (Fp 2.12). Paulo foi chamado desde o ventre de sua mãe, mas não foi desobediente à visão celestial (At 26.19). A Bíblia diz para nos achegar-nos a Deus (Tg 4.8; 1 Pe 2.4). Ele faz a sua parte, porém temos de fazer a nossa (Ez 24.13).
Deus nos concede graça para perseverarmos até aquele grande Dia. No entanto, o Senhor Jesus nos manda vigiarmos para continuarmos em pé (Lc 21.36). E a Palavra de Deus menciona pessoas que cairão e irão para o Inferno (Mt 7.21-23).
Portanto, a salvação é pela graça, sem dúvidas. Mas precisamos atentar para textos como 1 Coríntios 15.1,2: “Também vos notifico, irmãos, o evangelho que já vos tenho anunciado; o qual também recebestes, e no qual também permaneceis, pelo qual sois salvos se o retiverdes tal como vo-lo tenho anunciado; se não é que crestes em vão”.
Em Cristo,

                 Tarcísio Costa de Lima

sexta-feira, 25 de fevereiro de 2011

O verdadeiro cristianismo!

Se fizermos uma análise versículo por versículo, frase por frase, palavra por palavra, de Hebreus 13, teremos, sem exagero, uma manancial, um tesouro, à nossa disposição. Arrisco-me a dizer que esse único capítulo é o suficiente para a preparação de um livro contendo, pelo menos, dez mensagens repletas de lições para a vida cristã com muitos pormenores.

Mas, neste artigo, gostaria apenas de apresentar uma reflexão a respeito de seis coisas que os seguidores do cristianismo verdadeiramente cristão não podem esquecer ou ignorar — e todas elas estão em Hebreus 13.
Hospitalidade (v.2). O autor de Hebreus assevera que não devemos nos esquecer da hospitalidade. E ele menciona uma razão para fazermos isso: “alguns, praticando-a, sem o saber acolheram anjos” (ARA). Pense no que significa ser hospitaleiro. Tratar bem os amigos é fácil. E, quando temos de ser hospitaleiros com quem não conhecemos? Sofremos, ao fazer isso. No entanto, Deus muitas vezes usa esse tipo de circunstância para nos abençoar. Não foi isso que aconteceu com a viúva que ajudou Elias? E o que dizer do personagem bíblico mais famoso do momento, Zaqueu? Já imaginou se ele dissesse a Jesus: “Na minha casa, não! Minha mulher não vai gostar de receber uma visita inesperada”?
Presos (v.3). Sejamos sinceros: Qual cristão, incluindo eu e você, caro leitor, costuma se lembrar dos presos, dos encarcerados? Alguém se lembra do maníaco do parque, que estuprou e matou inúmeras jovens? E daquela jovem paulistana que planejou e executou o assassinato dos pais? Posso ser sincero? Quando eu me lembro desses presos “famosos” (na verdade, afamados), não lhes desejo, no meu íntimo, boas coisas. Mas o texto bíblico de Hebreus 13 diz: “Lembrai-vos dos encarcerados, como se presos com eles” (ARA). Meu Deus, que difícil recomendação da sua Palavra! Como eu preciso melhorar!
Maltratados (v.3). A ARC diz “Lembrai-vos dos... maltratados”, e a ARA: “Lembrai-vos... dos que sofrem maus tratos”. E acrescenta: “como se, com efeito, vós mesmos em pessoa fôsseis os maltratados”. Gostamos de lembrar apenas de coisas boas, que nos trazem satisfação. Ninguém gosta de lembrar, por exemplo, de um morador de rua, maltratado pela vida ou pelas más escolhas que fez. Os espíritas dizem: “Ele está sofrendo, mas é o seu karma”. E alguns evangélicos, conquanto iluminados pelo Espírito, se dão ao luxo de afirmar, sem nenhuma compaixão: “Deus sabe por que esse homem está sofrendo; trata-se de um miserável pecador, um vaso da ira”. Ah, como o nosso cristianismo seria realmente cristão se aprendêssemos a ser “bons samaritanos”!
Pastores (v.7). Nunca os pastores foram tão desrespeitados. Hoje, ser pastor não significa muita coisa, sobretudo na blogosfera em parte cristã! É claro que há falsos obreiros, aos quais convém mesmo “tapar a boca” ou refutar segundo a Bíblia (Tt 1.10,11). Mas não são muitos os cristãos que atentam para a seguinte recomendação: “Lembrai-vos dos vossos pastores, que vos falaram a palavra de Deus, a fé dos quais imitai, atentando para a sua maneira de viver” (ARC). Esse respeito aos pastores (“guias”, ARA) não é por causa do título que eles possuem, e sim porque foram chamados e ungidos pelo Senhor. E quem se levanta contra eles — no caso dos verdadeiros, é claro — está se levantando contra quem?
Beneficência (v.16). O texto diz: “E não vos esqueçais da beneficência” (ARC). Beneficência é o amor em ação; é a prática do bem. Afinal, o amor só é amor quando em ação. Se alguém diz “Eu amo a Palavra”, mas nunca medita nela, que tipo de amor é esse? Por isso, o salmista, ao falar do seu amor para com a Lei do Senhor, afirmou que ela era a sua meditação em todo o dia (Sl 119.97). E o que dizer do amor a Deus e ao próximo? E o que dizer do amor aos inimigos? A Bíblia não diz que devemos fazer bem a todos? Essa última pergunta é retórica; traz em si mesma a resposta de que devemos amar e fazer o bem (amor em ação) até aos nossos inimigos (Rm 12.20). Estamos dispostos a isso? Ou queremos vê-los arrasados, prostrados, enquanto cantamos: “Tem sabor de mel, tem sabor de mel, a minha vitória hoje tem sabor de mel”?
Comunicação (v.16). “Não negligencieis igualmente... a mútua cooperação” (ARA), diz o autor de Hebreus. E acrescenta que Deus se compraz com esse tipo de sacrifício. Ser um cooperador, um ajudador, alguém que comunica alguma coisa a alguém, seja um dom espiritual, seja uma ajuda material, significa se sacrificar pelo próximo! Mas, quem hoje está disposto a sofrer, a se sacrificar, por alguém que não seja um parente, como filhos, netos, esposa, pais?
Enfim, correr atrás de trio elétrico dizendo que está evangelizando os foliões é fácil. Escrever belos textos para a blogosfera em parte cristã, pelos quais expomos o nosso pensamento e refutamos isso e aquilo, também não é tão difícil. Mas, e viver o cristianismo verdadeiro, o cristianismo realmente cristão, que não se esquece da hospitalidade, dos encarcerados, dos maltratados, dos pastores, da beneficência e da mútua cooperação?
Lamento, mas o cristianismo realmente cristão é para quem deseja ter a Bíblia como a sua regra de fé, de prática e de vida. E é isso que eu desejo, embora reconheça, humildemente, que ainda não o tenha alcançado...
Em cristo,

              Tarcísio Costa de Lima

quarta-feira, 23 de fevereiro de 2011

Daniel e o período interbíblico!

Em Daniel 11, encontramos a síntese da história bíblica, abrangendo os 400 anos decorridos desde a profecia de Malaquias até à vinda de Cristo, que são conhecidos como Período Interbíblico. Vemos o futuro imediato e distante de Israel em relação às nações vizinhas, ligado principalmente ao "tempo de angústia de Jacó" (Jr 30:7). Os 45 versículos do capítulo 11 de Daniel cobrem quase 500 anos de história bíblica: de Ciro, o Persa, ao final da independência do reino de Israel sob os macabeus, em 63 a.C., quando Roma assumiu o controle dessa nação.
Em Daniel 11:21-35 encontramos a referência de "... um homem vil" (Dn 11:21). Este é Antíoco Epifânio. Este monarca foi, em sua geração, uma figura do verdadeiro anticristo, "... o homem do pecado, o filho da perdição" (2ª Ts 2:3).
Antíoco Epifânio foi o grande perseguidor dos judeus na Palestina. No seu governo houve a revolta dos macabeus. Este "homem vil", do texto em foco, foi o homem mais desprezível narrado nas profecias de Daniel. Dez versículos do capítulo 11 são reservados para a descrição dele. Saíram dele "uns braços" que profanaram o santuário, e tiraram o contínuo sacrifício estabelecido pela lei cerimonial (Dn 11:31). Este homem obteve a coroa por astúcia e por "engano". Ele é o pequeno chifre descrito em Daniel 8.
Com a ascensão de Antíoco Epifânio, teve início uma das mais sombrias épocas da história judáica. Onias exercia o sacerdócio em Jerusalém quando Epifânio começou a reinar. Epifânio vendeu o cargo de sumo sacerdote ao irmão de Onias, por 360 talentos. O usurpador colaborou com Antíoco em seu esforço de impor a cultura e religião grega aos judeus. Os velhos costumes hebreus e suas práticas religiosas foram desestimulados; judeus foram enviados a Tiro a fim de tomar parte nos jogos em homenagem ao deus pagão Hércules, e, em seu altar eram oferecidos sacrifícios. Antíoco Epifânio voltou à Jerusalém, sitiou e tomou a cidade, massacrando 40 mil judeus. Desprezando a tradição judáica, entrou no Santo dos Santos, sacrificou uma porca sobre o altar, e espargiu o sangue sobre o edifício. Por sua ordem o Templo passou a ser templo do Zeus Olímpio; proibiram-se culto e os sacrifícios judáicos foram substituídos pelos ritos pagãos. Proibiu-se a circuncisão, e a mera posse de uma cópia da Lei se tornou ofensa punível com a morte.
Antíoco Epifânio conquistou tudo o que desejava o seu coração (Dn 11:22). A única nação que sempre apresentava resistência era o Egito. Então, com astúcia, fingiu um "concerto" com o sobrinho de Ptolomeu Filoparter, e depois deste trabalho de paz (fingido), veio "caladamente como uma inundação" e tomou os "lugares mais férteis da província". Depois se revoltou também contra o "príncipe do concerto".
Antíoco fez uma aliança com o monarca egípcio, mas sem a mínima intenção de observá-la (Dn 11:23). Depois de ter ganhado a inteira confiança de Ptolomeu Filoparter, veio "caladamente" com pouca gente e traiu a Ptolomeu e sua gente. Nesta investida contra o reino do Sul (Egito), ele teve êxito total. O historiador judeu Flávio Josefo diz que ele teve plano, nesta sua investida, para tomar outras cidades. Porém, o Senhor Deus, a quem ele tanto tinha desafiado, interveio contra a sua obstinada tirania.
Em Cristo,

                Tarcísio Costa de Lima  

terça-feira, 22 de fevereiro de 2011

Daniel e sua intimidade com Deus!

Daniel 10 faz parte da última visão que Deus deu ao profeta, cobrindo os capítulos 10, 11 e 12. A visão foi dada dois anos após o retorno dos judeus à Palestina. Os três capítulos finais de Daniel revelão a culminância da crescente experiência do profeta e sua vida de intimidade com Deus. O profeta Daniel teve experiências espirituais sempre crescentes. Assim deve ser a nossa vida espiritual, sempre abundante, sempre em franco crescimento: "Portanto, meus amados irmãos, sede firmes e constantes, sempre abundantes na obra do Senhor, sabendo que o vosso trabalho não é vão no Senhor" (1ª Co 15:58).
Há um Deus no céu que pode revelar o futuro, bem como qualquer assunto que for da Sua vontade. Uma palavra revelada do céu é sempre algo maravilhoso, certo e infalível. Deus revelou para Daniel o que haveria de acontecer nos "últimos dias" (Dn 10:1).
A razão do lamento e retraimento acompanhado de jejum, é que Daniel, como patriota e membro da nação eleita, preocupava-se com o futuro do seu povo. Por volta do terceiro ano de Ciro, a obra iniciada, de reconstrução do templo, fora embargada (Ed 1-3 ; 4:4,5). A perseverança de Daniel na oração e no jejum por 21 dias ocasionou a resposta divina (Dn 10:12). Assim, vemos que nossas orações também são ouvidas no céu (Jr 33:3).
A visão profética descreve os acontecimentos que levariam Antíoco Epifânio à ascensão. Tal governante, mais tarde, profanaria o templo do Senhor (Mt 24:15). A Pérsia teria mais três reis: (530-522 a.C.), Pseudo-Esmérides ou Gaumata (522 a.C.) e Dario (522-486 a.C.). Ainda vemos o quarto rei, que iria guerrear contra a Grécia. Daí, se observa que não se vê mais citação histórica da Pérsia, apesar de ainda continuar, à época, como uma potência mundial. "O que os pecadores mais temem não é a morte, e, sim, a presença revelada de Deus" - quem afirma é o teólogo Swete. Em toda a extensão das Escrituras Sagradas, vemos pessoas que foram possídas de temor diante de grandes visões: Abraão (Gn 15:1-12); Moisés (Ex 3:1-6); Zacarias (Lc 1:11,12), entre outros.
Quando o anjo tocou (Dn 10:18), Daniel sentiu conforto, paz e ânimo. Deixe Deus te tocar hoje, agora, e, sinta Seu poder restaurador. Imediatamente Daniel ouviu a voz do mensageiro do Senhor, e respondeu: "Fala, meu Senhor, porque me confortaste" (Dn 10:19). Ainda hoje, a Palavra de Deus nos conforta e fortalece (Ne 6:9 ; Sl 119:28).
Em Cristo,

                Tarcísio Costa de Lima

segunda-feira, 21 de fevereiro de 2011

As setenta semanas de Daniel! 2ª parte

Um exame cuidadoso da passagem de Daniel 9:24-27 mostra que as semanas estão divididas em três grupos. Esses são: 7 semanas = 49 anos; 62 semanas = 434 anos; 1 semana = 7 anos. Comparando-se Apocalípse 12:6 com 13:5 se vê que o ano bíblico ou profético é de 360 dias, pois 1.260 dias (Ap 12:6) dá 31/2 anos de 360 dias, ou 42 meses de 30 dias cada (Ap 13:5).
O primeiro grupo de semanas: 7 semanas é igual a 49 anos (Dn 9:25). Este período começou com a expedição do decreto da reconstrução de Jerusalém, baixado em 445 a.C. por Artaxerxes, conforme Neemias 2. Neemias foi comissionado pelo rei para executar esse ato. Esta parte da profecia cumpriu-se com a restauração de Jerusalém no fim dos 49 anos correspondentes às 7 "semanas". Com isso chega-se ao ano 397 a. C.
O segundo grupo: 62 semanas corresponde a 434 anos (Dn 9:25,26). Aquí está incluído o período interbíblico entre Malaquias e Mateus. Nele também o Messias vem ao mundo e é morto. Pouco depois a cidade de Jerusalém é destruída e há guerras "até o fim". Esse "fim" refere-se ao final do tempo das 70 semanas, a saber, a última delas que tratarei em seguida.
O terceiro grupo: 1 semana é igual a 7 anos (Dn 9:27). Esta última semana não segue imediatamente às 69. Com a rejeição do Messias pelos judeus e a expulsão da sua terra, um intervalo de acontecimentos é destacado no tempo. A Igreja é formada, edificada e arrebatada antes que comece esta última semana de 7 anos. Após as 69ª semana o tempo profético ficou suspenso para Israel até que ocorra a "plenitude dos gentios" (Rm 11:25). Trata-se da igreja. Após o arrebatamento desta, terá início a 70ª semana - os 7 anos em que terá lugar a tribulação, descrita em detalhes em Apocalípse capítulos 6 a 18. Após o arrebatamento da igreja terá lugar esta última "semana", a qual abrangerá o surgimento do Anticristo no cenário mundial, a Grande Tribulação, e por fim, a volta pessoal do Senhor Jesus sobre o Monte das Oliveiras, quando então os judeus, em grande aflição, o reconhecerão como seu verdadeiro Messias (Zc 12:8-10 ; 14:1-5 ; Mt 23:39).
Para que compreendamos melhor as 70 semanas, estudaremos cinco temas que terão lugar na última semana (Dn 9:27). Trata-se dos 7 anos de ascendência do Anticristo.
O Anticristo fará uma aliança com Israel por 7 anos ("por uma semana"). É a última das 70 semanas proféticas, que terá lugar após o arrebatamento da igreja. O anticristo romperá a aliança feita, decorridos três anos e meio ("na metade da semana fará cessar o sacrifício e a oferta de manjares"). Isso demonstra que o templo de Jerusalém estará reconstruído (Mt 24:15).
O anticristo se voltará contra os judeus e começará a prseguí-los com furor ("sobre a asa das abominações virá o assolador"). O termo "abominação" é empregado na Bíblia para designar ídolos e idolatria (Dn 11:31 ; 12:11 ; Mt 24:15). Trata-se de um ídolo que será colocado no Lugar Santo do templo. O "assolador" é uma referência ao anticristo, prevalecendo contra Israel "até a consumação", isto é, até que seja destruído.
Jesus Cristo aparecerá para destruir o anticristo e suas hostes, livrando Israel da destruição total. Isto se refere à derrota total do anticristo, ao descer Jesus em glória (At 1:11 ; Mt 24:30) para julgar as nações rebeladas contra Deus sob a liderança do anticristo. Então, estabelecerá o milênio de paz e justiça na terra, o que será uma preparação ao qual se seguirá o Juízo Final e o Perfeito Eterno Estado do mundo, descrito em Apocalípse 21 e 22. É com o Milênio que terá início o cumprimento das seis bençãos de Deus sobre Israel, preditas em Daniel 9:24.
Em Cristo,

                 Tarcísio Costa de Lima 

sexta-feira, 18 de fevereiro de 2011

As setenta semanas de Daniel! 1ª parte

Deus concedeu ao profeta Daniel uma visão profética de muito maior alcance e amplitude em relação ao futuro de Israel, o povo eleito. Este será o assunto deste artigo: a segunda profecia mais importante do livro de Daniel (Jr 30:3-11 ; Ez 20:33-44).
Estava chegando ao fim os setenta anos do cativeiro babilônico que fora predito pelo profeta Jeremias (Jr 25:11,12 ; 20:10).Agora, os 70 anos estavam findando e o povo de Israel continuava no exílio em Babilônia.
Pode-se perceber em todo o livro de Daniel a razão porque este profeta alcançou muitas vitórias (Dn 9:3). Primeiro, Daniel procurou através das Escrituras o que Deus dissera sobre o assunto. Ele possuía uma biblioteca onde estudava. Ele disse: "Entendi pelos livros". Em seguida, orou, jejuou e rogou humilhado, vestido em pano de saco e com cinza. Muitos cristãos ao alcançarem um lugar de destaque em seus empregos se esquecem da Igreja, dos irmãos e até do Senhor.
"Estando eu falando, orando e confessando o meu pecado" (Dn 9:20-23). Deus mobilizou um dos anjos mais importantes, Gabriel. Os anjos santos são liderados por Miguel, o arcanjo (este é, o chefe dos anjos). "Tocou-me na hora do sacrifício" (Dn 9:21). Os judeus tinham por costume dois sacrifícios diários contínuos: pela manhã e à tarde. O da tarde era oferecido no crepúsculo (Ex 29:38-42 ; Nm 28:4,8). Era uma boa maneira para encerrar o dia, com oração. Daniel orou e chegou a resposta divina. Pecado confessado, oração atendida. "Se eu atender à iniquidade no meu coração, o Senhor não me ouvirá" (Sl 66:18).
Como é bom ser amado de Deus (Dn 9:23). De que adianta ter muitos amigos, receber o carinho de todos se não tivermos o amor de Deus. "Toma, pois, bem sentido na palavra, e entende a visão". A compreensão dependia de ele entender "o sentido da palavra e a visão". Deus fala para quem possa entender. Daniel entendeu a mensagem de Deus pela oração e pelos livros.
O anjo não falou a Daniel usando a expressão "setenta semanas". O original do livro fala de "setenta setes", que, pelo contexto da profecia e por outras indicações proféticas, mostra tratar-se de semanas de sete anos, isto é, 70 x 7anos = 490anos bíblicos. Duas evidências de que não são semanas comuns é que os seis felizes eventos preditos a respeito de Israel, em Daniel 9:24 ainda não se cumpriram. Portanto, são futuros. Em Mateus 24:15, o Senhor Jesus deixa claro que a última das 70 semanas é ainda futura, uma vez que o fato ali citado por Ele, enquadra-se na 70ª semana, conforme Daniel 9:27, a qual ainda não teve cumprimento.
As setenta semanas tratam das provações e sofrimentos pelos quais Israel terá que passar antes que venha o seu Libertador para que tenham fim os pecados de Israel, e experimentem justiça eterna. Elas concernem a Israel e não à Igreja. Deus domina sobre o tempo. Domina sobre as épocas (Dn 2:21).
Por que setenta anos de cativeiro? Os setenta anos eram um meio de disciplinar Israel. Eles seriam corrigidos por quebrarem deliberadamente os preceitos divinos (Lv 25:3-5 ; 26:14,33-35 ; 2º Cr 36:21). Ora, durante os quase 500 anos que vão da monarquia de Israel ao seu cativeiro, eles não cumpriram o preceito de observar o ano sabático. Deus mesmo fez a terra repousar, mantendo seus maus "inquilinos" fora por 70 anos. Ora, setenta anos são o total de anos sabáticos ocorridos no espaço de 490 anos.
Em Cristo,

                Tarcísio Costa de Lima

quinta-feira, 17 de fevereiro de 2011

Os reinos do mundo são transitórios!

O livro de Daniel é um extraordinário tratado de escatologia. No capítulo 8, Daniel situa também sua visão "no terceiro ano do reinado do rei Belsazar" (Dn 8:1,2). A dinastia fundada por Nabucodonosor estava chegando ao fim. O ano terceiro de belsazar era o último de sua existência.
Daniel registrou detalhes sobre como seriam o segundo e o terceiro império que iriam aparecer no cenário mundial. O profeta declara que sua visão ocorreu quando estava em Susã, na província do Elão, uma das capitais persas, que ficava a 300 km da Babilônia (Dn 8:2).
Daniel encontra-se às margens do canal de Ulai, cujo rio de igual nome fluía de um ponto cerca de 220 km ao norte de Susã até o rio Tigre, ao sul (Dn 8:2). A localização da visão é importante. Ela situa o contexto das relações com a Medo-Pérsia e a Grécia (Dn 8:3,4). Mais adiante, Daniel soube o significado da visão: "Aquele carneiro com dois chifres, que viste, são os reis da Média e da Pérsia" (Dn 8:20).
O carneiro e seus dois chifres correspondem claramente ao Império Persa (Dn 8:3,4,20 ; 7:5). Os dois chifres falam da dualidade do império: Média e Pérsia. Ochifre mais alto é a Pérsia, que, apesar de ser mais recente que a Média, se tornou proeminente. "O mais alto subiu por último" (Dn 8:3). Em 550 a.C. Ciro, um persa, rebelou-se contra os medos, que até então detinham o poder e tornou-se cabeça dos demais reinos. "E assim se engrandecia" (Dn 8:4). O profeta estava se referindo à Grécia. Esse império se tornou grande nas suas conquistas, com seus feitos e proezas nesse sentido estudados e admirados até os dias atuais.
O Império Grego é representado na visão do profeta pelo bode (Dn 8:21 ; 7:6). O "chifre notável" do bode (Dn 8:5) é Alexandre, o Grande, um dos guerreiros mais brilhantes dos tempos antigos: rei da Macedônia, fundador do helenismo, gênio militar e propagador da cultura grega. Foi ele o grande imperador grego. Em doze anos de reinado Alexandre tinha o mundo a seus pés. Morreu em 323 a.C., em Babilônia, aos 33 anos de idade. O império de Alexandre foi dividido entre seus quatro generais (Dn 8:8): em parte, à Grecia, à Turquia, à Síria e ao Egito (Dn 8:22).
Em Cristo,

              Tarcísio Costa de Lima 

quarta-feira, 16 de fevereiro de 2011

A visão do estabelecimento do reino eterno!

O capítulo 7 do livro de Daniel vem antes do capítulo 5. No capítulo 2 aprendemos que os impérios mundiais foram representados através de uma estátua. No capítulo em apresso (7), esses mesmos impérios são representados por um leão, um urso, um leopardo e um animal anônimo e terrivelmente espantoso (Dn 7:13,14,25,27).
Belsazar é identificado como o rei que governava quando Daniel teve as visões durante o seu sonho. O profeta procurou fazer o registro das mesmas por ter compreendido que se tratava de uma revelação séria da parte de Deus e que precisava ser publicada. Quando esse sonho e revelação foram dados, Daniel tinha, aproximadamente, 68 anos de idade. Ele foi para o cativeiro com cerca de 16 anos, 52 anos antes. A revelação lhe foi dada através de um sonho e visões (Dn 2:28 ; 4:5,10).
Daniel fala como se estivesse na praia do mar Mediterrâneo (Dn 7:2). Ele alí contempla, em sua visão, "os quatro ventos do céu combatendo o mar grande". O profeta Zacarias viu também algo semelhante ao que neste versículo é presenciado (Zc 6:5). O mar agitado visualizado por Daniel são as nações inquietas (Ap 17:15). A inquietação e a perplexidade das nações é uma característica dos tempos dos gentios, isso pelas crises, cada vez maiores, que surgem interna e externamente nas nações. Os ventos representam os poderes do mal que incitam e afligem as nações. Durante o reinado cruel da Besta, estas águas representam o estado de depressão e confusão pelo qual passarão os habitantes da terra (Lc 21:25).
O primeiro animal corresponde à cabeça de ouro da estátua descrita por Daniel no capítulo 2, isto é, Babilônia (Dn 2:32,37,38). O leão tinha duas asas, o que fala da rapidez nas suas conquistas, como bem revela a história. O segundo animal era semelhante ao urso (Dn 7:7). Isto corresponde ao peito de prata do capítulo 2, ou seja, o império Medo-Persa (Dn 2:32,39). No capítulo 8:20 o império Medo-Persa volta a ser representado por um carneiro. O urso se levanta sobre um dos lados, e tinha na boca três costelas. O lado que se levantou foi a Pérsia, que passou a ter ascendência sobre a Média. As três costelas na boca referem-se à conquista (pela Pérsia) de Babilônia, Lídia e Egito. O terceiro animal é o leopardo (Dn 7:6). Este correspondendo ao ventre de bronze do capítulo 2, à Grécia (Dn 2:32,39). No capítulo 8:5,21 a Grécia volta a aparecer sob a figura de um bode. O leopardo tinha 4 asas e 4 cabeças. As asas indicam rapidez e as cabeças falam da quádrupla divisão do Império Grego após a morte de Alexandre, a saber: Egito, Macedônia, Síria e Ásia Menor.
O quarto animal corresponde às pernas e pés da estátua do capítulo 2; ou seja, o Império Romano, e ainda à sua última forma de expressão, por ocasião da vinda de Jesus (Dn 7:7,8,11,19-24). Tinha dez chifres, e, dentre esses dez surgiu um pequeno. Três dos outros derrubados pelo chifre pequeno (Dn 8:24). O quarto animal seria um rei ou reino, como os demais animais (Dn 7:17,23). Esse animal tinha dentes de ferro. Seria o reino da força, ferocidade e do esmagamento, como foi o Império Romano. A visão do quarto animal com seus muitos detalhes é tão impressionante, que Daniel concentrou sua atenção sobre ele, querendo saber a que se referia (Dn 7:19,20).
Os dez chifres do versículo 7 correspondem a dez futuros reis (vs. 24). Esses futuros reis ou reinos correspondem aos dez dedos dos pés da estátua do capítulo 2:41,44, e aos dez chifres da besta do Apocalípse 13:1 e 17:12, a saber, ao anticristo e suas nações confederadas durante a grande tribulação. O chifre pequeno (Dn 7:8) representa o futuro anticristo. Ele, ao emergir entre dez reinos, abaterá três reis. O versículo 8 revela também que o anticristo será muito inteligente ("olhos" - vs. 8,20), e também um bom orador, comunicador que atrairá as massas ("boca que fala insolência" - vs 8,20 ; Ap 13:5,6).
Em Cristo,

                Tarcísio Costa de Lima

terça-feira, 15 de fevereiro de 2011

Deus livra a Daniel dos leões!

Os príncipes ciumentos armaram uma cilada para Daniel. Eles sabiam que Daniel orava três vezes ao dia. Embora fosse um empregado do rei, conseguia encontrar tempo para se dedicar à oração da tarde, manhã e ao meio-dia, de acordo com o costume hebreu (Sl 55:17). Que possamos seguir o exemplo de Daniel, pois através do poder da oração, os leões são vencidos.
Nada na vida de Daniel era oculto aos homens e principalmente ao rei Dario. O rei caiu em contradição, pois assinou uma lei contra seu mais fiel servo, não podendo voltar atrás. Mas, ainda assim, tentou salvar a Daniel (Dn 6:14). Pressionado, o rei se viu obrigado a cumprir a lei, mandando Daniel à cova dos leões, dizendo-lhe: "O teu Deus, a quem continuamente serves, Ele te livrará" (Dn 6:16).
O vaidoso rei ordenou que Daniel fosse levado e depois lançado na cova cheia de leões famintos, tal como os três amigos do profeta tinham sido lançados na fornalha ardente (Dn 3:11,21). Quando Daniel estava sendo lançado na cova dos leões, o rei expressou o desejo de que Deus o protegesse, pois Daniel confiava Nele (Dn 6:16). Você já parou para pensar nesta bela cena? O rei Dario sendo usado por Deus e profetizando o livramento de Daniel?
Para que a entrada da cova não fosse violada, o rei, à semelhança do que fez Pilatos, mandou que trouxessem o selo real (o anel) e o selo de seus grandes, selando assim a pedra. Era esse o costume daqueles dias: selar a entrada duma cova, quando havia nela alguém vivo ou morto (Js 10:16 ; Dn 6:17 ; Mt 27:66). O selo real dizia às pessoas que se mantivessem afastadas sob pena de morte. O monarca não dormiu aquela noite. Aqueles que conhecem e são fiéis a Deus, jamais serão abalados em sua confiança (Sl 91:10 ; Rm 5:3). Em meio às aflições, a graça de Deus nos capacita a buscar mais diligentemente sua face, produzindo um espírito e caráter perseverante, nos fazendo triunfar sobre tudo.
O rei Dario ficou desanimado, chegando a perder o apetite (Dn 6:18). Naquela noite não permitiu que houvesse som de música. Dario não conhecia o Deus Verdadeiro, por isso, diante da dificuldade não dormiu, não comeu... Ele foi vencido pelo desânimo. Todavia, aqueles que têm Deus como Pai, mesmo diante da adversidade conseguem seguir em frente. Não ficam parados, prostrados diante das dificuldades e circunstâncias desfavoráveis. Daniel foi vitorioso por causa da fidelidade que tinha para com o seu Deus, mas, seus opositores tiveram um fim trágico (Dn 6:24).
Em Cristo,

                Tarcísio Costa de Lima

segunda-feira, 14 de fevereiro de 2011

A profanação de Belsazar!

Para que possamos ter uma melhor compreensão ao estudar o capítulo 5 de Daniel é preciso estudá-lo em paralelo com Isaías 21:1-9, onde encontramos a profecia a respeito da queda da Babilônia, feita 150 anos antes do ocorrido. Encontramos mais detalhes dessa queda nos capítulos 13 e 14 de Isaías. Daniel, a essa altura, era um senhor de mais de 80 anos de idade.
O nome do rei Belsazar foi encontrado nas inscrições achadas nas ruínas da Babilônia, por isso, acredita-se que reinou conjuntamente com seu pai, e após a morte deste ficou no poder para defender a Babilônia. Portanto, era neto de Nabucodonosor.
Daniel 5:1 tem seu paralelo no primeiro capítulo do livro de Ester. Este livro também marca um período do cativeiro. Alí há um banquete semelhante a este, em que alguém também perdeu a sua coroa. Belsazar era um príncipe caldeu, e, como tal não devia beber, pois a Bíblia adverte a este respeito (Pv 31:4). O monarca, em sua orgia e devassidão, viu o fim de seu reino e de seus grandes naquela mesma noite. Sabemos que as Escrituras Sagradas nunca falham (Jr 1:11,12 ; At 12:23), pois "...qualquer que a si mesmo se exaltar será humilhado".
As taças de vinho utilizadas por Belsazar eram os vasos de ouro e prata que Nabucodonosor tinha tirado do templo de Jerusalém, no primeiro ataque ao cativeiro (Ed 1:9-11). Belsazar, não teve nenhum respeito por aquilo que era "santo". Como consequência do seu erro, caiu sobre ele a ira divina. A Bíblia adverte, dizendo: "Não erreis: Deus não se deixa escarnecer!" (Gl 6:7). O Senhor é Santo, e em Sua santidade detém a pureza moral (1ª Pe 1:16).
Segundo os historiadores, nos banquetes oficiais, era costume oferecer libação aos deuses locais. Esse fato aumenta a culpa do monarca. Os deuses da Babilônia eram festivamente reverenciados com presentes em ouro, prata, bronze e ferro. A perda da reverência ao sagrado é sempre um sinal de decadência moral. A medida da iniquidade estava cheia e o juízo não tardaria. Ele seria repentino. Quando pensamos no juízo de Deus isto nos assusta? Hoje é tempo de se preparar para o dia do juízo. Agora é o momento da salvação, da graça. Deus é o justo Juíz! É Ele quem perdoa as nossas iniquidades e nos livra da ira futura (Sl 103:3,4).
Em Cristo,

                Tarcísio Costa de Lima

sexta-feira, 11 de fevereiro de 2011

A loucura de Nabucodonosor!

Nabucodonosor estava no auge da fama e do poder, suas guerras tinham terminado, a prosperidade estava garantida; porém, ele atribuía tudo à sua própria sabedoria e habilidade. Em nenhum momento pensou em Deus, que o reguera e lhe dera tudo. Ele teria de ser humilhado para saber que o Altíssimo domina sobre o reino dos homens e dá a quem lhe aprouver (Dn 4:17).
A sentença já havia sido decretada e era terrível (Dn 4:16). A destruição da árvore não significava sua erradicação; pois o tronco, amarrado com cadeias de ferro e de bronze, deveria ficar na terra para ainda voltar a frutificar depois de "sete tempos".
Em sua insanidade temporária (que o deixaria completamente arrasado pelo golpe divino), o rei Nabucodonosor correria para a floresta e viveria como um animal. Comeria relva como um boi e viveria exposto à chuva e aos elementos da natureza em geral. Ele viveria em tal estado por sete anos. E assim veio reconhecer quem é o Rei Verdadeiro (Dn 3:26).
Podemos observar, através do texto de Daniel 4:27, a coragem do profeta Daniel. Ele, após revelar o sonho, aconselhou o que deveria ser feito. Se o monarca tivesse tido um verdadeiro arrependimento de seus pecados, a sentença seria mudada (Jr 3:5-10), porém isto não aconteceu.
Daniel insistiu com o monarca, para que se arrependesse. Mas, isso não aconteceu. "Ao cabo de doze meses, andando a passear sobre o palácio real de Babilônia" o Senhor deu ao rei o castigo profetizado. Foi dado ao monarca um tempo para que se arrependesse. Mas não houve mudança. Então, veio o julgamento. Nabucodonosor foi afetado por uma doença conhecida como zoantropia, uma desordem mental, segundo a qual a pessoa se imagina um animal e passa a agir como um ser irracional. O rei foi expulso dentre os homens, passou a comer grama e a ter como companheiras as feras. Mas, no tempo de Deus, o terrível castigo chegou ao fim. De repente o rei voltou à razão. Elevou os olhos ao céu e reconheceu ser o Senhor o grande Rei, e não ele próprio.
Em Cristo,

                Tarcísio Costa de Lima

quinta-feira, 10 de fevereiro de 2011

O livramento dos justos!

"Não temas, porque eu sou contigo; não te assombres, porque eu sou o teu Deus; eu te esforço, e te ajudo e te sustento com a destra da minha justiça" (Is 41:10).
O livro de Daniel é composto por seis histórias e quatro visões. As histórias podem ser encontradas nos capítulos 1 a 6, e as visões nos capítulos 7 a 12. Tratarei, um pouco, sobre a terceira história. A experiência dos três jovens fiéis que foram parar na fornalha ardente.
Os oficiais da corte de Nabucodonosor, movidos pela inveja e maldade, certificaram-se de que o monarca ouvisse sobre a infração que tinham descoberto contra os amigos de Daniel. Demonstraram ser homens invejosos e bajuladores.
"...Com ira e furor" (Dn 3:13). O rei, ao saber que os amigos de Daniel não se prostraram ante a estátua reagiu com muita ira. Sua cólera desconheceu limites. Ele ordenou que os acusados fossem trazidos imediatamente à sua presença. A ira impede que você raciocine com clareza. A ira acaba por antecipar o pecado (Sl 4:4). Para muitos, é apenas uma forma de defesa. Para outros, consequência do temperamento. Porém, muitos não aceitam que seja uma coisa ruim, muito menos um pecado. Segundo Billy Graham "a ira é pecado odioso porque revela a natureza animal do homem. Muitos aparentam ser pessoas bem tranquilas até o momento em que ficam possuídas pela indignação, e então se transformam". Todo e qualquer acesso de ódio, nos leva a posturas extravagantes e destruidoras.
Os três amigos responderam que não tinham necessidade de defender-se, pois a defesa deles era o próprio Deus. Se ser leal ao Senhor era crime, então eles seriam os piores criminosos. Por todo o livro de Daniel podemos ver como a lealdade e adoração para com Deus são continuamente tratadas. Os governantes podem tentar criar leis que inibam ou proíbam a adoração ao Todo-Poderoso. Porém, aqueles que permanecerem fiéis não temerão (Ap 2:10). As profecias de Daniel apontam que nos últimos dias haverá uma tentativa de inibir ou proibir a adoração verdadeira, sendo imposta uma falsa adoração. Mas, o livro de Daniel nos mostra claramente que Deus terá um povo vitorioso, que resistirá a todas as tentativas de desobedecer ou perverter a adoração (Jo 4:23). Quão importante é permanecermos fiéis ao Senhor.
Em Cristo,

                Tarcísio Costa de Lima

terça-feira, 8 de fevereiro de 2011

Daniel e o sonho do rei!

Não se trata apenas da interpretação do sonho de um rei, mas o futuro predito do mundo gentílico no tempo dos "últimos dias" (Dn 2:28). Isto alcança os tempos da vinda de Jesus e o estabelecimento do milênio (Dn 2:44). É tão importante a palavra profética deste capítulo, que a mesma vem repetida no capítulo 7. A única diferença é que no capítulo 2, a revelação divina veio por meio de um sonho profético de Nabucodonosor; no capítulo 7, por meio de uma visão concedida ao profeta Daniel.
Daniel, diante do rei, mostrou-se humilde, não querendo honra para si, nem se apresentando como o mais capaz dentre os sábios caldeus. O cristão autêntico considera os outros superiores a si mesmo; o que disso passa é altivez (Pv 16:18 ; Fl 2:3).
O sonho de Nabucodonosor foi uma revelação de Deus. Deus tem o controle de tudo (Jó 12:10). O Senhor abate aqueles que são altivos, porém os humildes são salvos (Sl 18:27), pois a vontade de Deus é soberana.
Na estátua vista pelo rei está predita a história das nações dos "tempos dos gentios", começando pelo próprio Nabucodonosor até a vinda de Jesus (Dn 2:36-43). Alí estavam representados os quatro últimos impérios mundiais até a segunda vinda de Jesus. A cabeça de ouro da estátua representava a Babilônia (Dn 2:32). O peito e os braços de prata, o império Medo-Persa (Dn 2:32). O ventre e os quadris de bronze, a Grécia (Dn 2:32). As pernas de ferro e os pés em parte de ferro e em parte de barro, representavam Roma (Dn 2:33). Os dez dedos dos pés, o futuro reino do Anticristo (Dn 2:22).
Ouro, prata, bronze e ferro com barro (Dn 2:32,33). A inferioridade dos metais revela que o mundo não vai melhorar nem moral, nem politicamente, mas agravará cada vez mais. A figura de Nabucodonosor é uma descrição bíblica da degeneração da raça humana diante de Deus (Rm 1:18). Tudo que fora predito no sonho do rei foi realmente comprovado pela história universal. O nome do Senhor foi exaltado através da vida de Daniel (Dn 2:47), e Daniel foi exaltado pelo Senhor (Dn 2:49), sendo constituído governador da província de Babilônia e chefe supremo dos sábios, no mais alto escalão do governo em dois dos maiores impérios mundiais: o babilônico e o medo-persa. Porém, permaneceu humilde. Não esqueceu dos amigos. Não se transformou numa celebridade. Lidar com benção não é tão fácil. Certo escritor declarou: "Para testar o caráter de um homem dá-lhe poder".
Em Cristo,

                Tarcísio Costa de Lima

segunda-feira, 7 de fevereiro de 2011

Mantendo a fidelidade a Deus!

Neste artigo comentarei sobre a vida de um jovem hebreu que foi levado cativo à Babilônia por Nabucodonosor. Porém, ele manteve-se puro, humilde e fiel ao seu Deus. Daniel foi um jovem que obteve influência na corte babilônica, através da interpretação que deu ao sonho do rei. Não resta dúvida de que ele foi escolhido e preparado pelo Senhor para exercer uma tarefa espiritual de suma importância.
Daniel e seus amigos Hananias, Misael e Azarias eram príncipes da casa real de Judá. Foram deportados para Babilônia em 605 a.C., no terceiro ano do reinado de Jeoaquim, filho de Josias. Sendo jovens de instrução e inteligência, Nabucodonosor ordenou que fossem devidamente preparados na cultura caldéia a fim de prestarem serviços à corte babilônica.
O processo de aculturação exigia a troca de nomes dos exilados. Os nomes judáicos deveriam ser substituídos por nomes caldáicos (Dn 1:7). Daniel e seus amigos deveriam aprender a literatura, ou seja, assimilar toda a cultura (Dn 1:4); também deveriam adaptar-se ao regime alimentar da corte (Dn 1:5). Para serem aceitos em funções oficiais, precisavam também passar por uma sabatina executada pelo próprio rei (Dn 1:20). E, para culminar, deviam estar dispostos a assumir publicamente a religião do Estado, que passava pela adoração dos deuses nacionais (Dn 3:12,14,18) e do próprio monarca (Dn 6:7).
Daniel 1:5 nos mostra que os jovens cativos foram provados quanto a não se contaminar com os manjares do rei. Eles eram obrigados a participar da "porção do manjar do rei, do vinho que ele bebia...". Mas Daniel, assim como seus amigos, cheios do Espírito Santo, não desejou o manjar daquele que tinha os olhos malígnos (Pv 23:3,6). O vinho servido ao rei e oferecido a Daniel e seus companheiros, era dedicado a ídolos, por isso, comer tal alimento e beber tal bebida era desobedecer à Lei de Deus. Brindar com o vinho oferecido pelo rei significava entorpecer suas mentes. Deus nos adverte em Sua Palavra: "...não toqueis coisa imunda; sai do meio dela, purificai-vos..." (Is 52:11).
O jovem Daniel, embora distante de sua terra natal e de seus familiares, não abriu mão de suas convicções. Mesmo que viesse a ter que pagar com a própria vida (Dn 6:7). Porém, aqueles que fazem pequenas concessões, não permanecendo fiéis, jamais resistirão ao pecado, sendo tragados pelos prazeres deste mundo. Humildemente, Daniel pediu que fosse isento dos alimentos oferecidos, e Aspenaz, o porta-voz de Daniel, foi capaz de dar-lhe essa licença (Dn 1:16). Daniel agia com sabedoria e disciplina. Demonstrava loganimidade em todos os momentos. A disciplina é a característica principal do homem sábio (Pv 19:11).
Em Cristo,

                Tarcísio Costa de Lima

sexta-feira, 4 de fevereiro de 2011

Daniel e a justiça Divina!

O livro de Daniel é escatológico. Jesus, o Mestre dos mestres, fez citação deste livro revelando sua importância e autenticidade: "Quando, pois, virdes que a abominação da desolação, de que falou o profeta Daniel ..." (Mt 24:15). As profecias de caráter escatológico são consolidadas e interpretadas no livro do Apocalípse, no Novo Testamento. Por isso, sua leitura deve ser feita de modo cuidadoso. O estudo deste livro é de suma importância para todos os que esperam seu Senhor, uma vez que estamos nos "tempos dos fins".
Deus tinha um propósito específico ao criar o homem e o Universo. Então, qual seria o propósito de Deus ao usar o profeta Daniel para que Sua mensagem fosse registrada num livro? (1) Declarar a Sua soberania sobre todas as nações, conforme demonstrado por intermédio de Daniel e seus amigos a dois monarcas da Babilônia e a dois da Pérsia. (2) Encorajar os judeus fiéis em seu conflito com o monarca Antíoco Epifânio, um dos sucessores de Alexandre Magno.
Daniel não é somente o personagem principal, mas é o autor do livro que recebeu o seu nome. Não existem dúvidas quanto à autoria de Daniel, pois está explicito no capítulo 12:4: "E tu, Daniel, fecha estas palavras e sela este livro, até o fim do tempo...". Para encerrar, ou melhor, dissipar qualquer dúvida quanto a autoria, o próprio Jesus atribuiu o livro ao profeta Daniel em Mateus 24:15.
Você vai encontrar no livro, vários eventos que ocorrem a partir da primeira invasão de Jerusalém por Nabucodonosor, no ano de 605 a. C. até o terceiro ano de Ciro 536 a. C. Todo o contexto tem como pano de fundo a Babilônia, durante o cativeiro babilônico de Judá que durou 70 anos. O cativeiro já havia sido profetizado por Jeremias. Isto nos mostra que Deus não faz nada sem avisar antes o Seu povo. A nação tinha sido advertida durante muitos anos, mas não ouviram a Deus (Jr 25:11).
A literatura apocalíptica, que no Antigo Testamento tem no livro de Daniel seu único representante, embora haja traços do gênero em passagens de Isaías, Ezequiel, Amós, Joel e Zacarias, floresceu no chamado período intertestamentário, a partir do ano 200 a. C. Em sua primeira parte, até o capítulo 6, o livro de Daniel combina características da literatura profética e de sabedoria. A partir do capítulo 7 até o final, é tipicamente apocalíptico, levando vários pesquisadores a pensar no volume inteiro como tendo sido escrito no segundo século antes de Cristo. O que precisa ficar claro, é que Deus é capaz de revelar aos seus mensageiros fatos que ocorrerão no futuro (Am 3:7).
Para infundir coragem e fé, Daniel esmera-se em registrar uma vida pura, com estudo bíblico e persistente oração. Ele mostra que Deus é o manancial de onde recebeu as visões (Dn 1:8,9 ; 9:2-20). Aprendemos que Daniel que o verdadeiro profeta não ameniza a dureza da mensagem divina a fim de adequá-la aos interesses e conveniências dos ouvintes. Que o Senhor possa usar a igreja com uma mensagem profética no meio desta geração tão carente da Sua Palavra.
Em Cristo,

                Tarcísio Costa de Lima

segunda-feira, 31 de janeiro de 2011

Eclesiastes 12:9-14 Características de um bom pregador!

Uma das características básicas de Salomão foi, sem dúvida, a de pregador. No Novo Testamento, o pregador é a pessoa que tem o chamado interior do Espírito Santo e o exterior da parte da igreja. A tarefa do pregador é falar como testemunha pessoal interpretando, explicando e aplicando a revelação de Deus às necessidades das pessoas. A igreja cristã crescerá, florescerá e cumprirá os propósitos de Deus se houver pessoas que correspondam à chamada de Deus para pregar a Sua Palavra (Rm 10:8-10).
Eclesiastes termina com um tributo à sabedoria de Salomão, provendo as chaves para interpretar o livro. Suas palavras, como toda a Bíblia, foram inspiradas por Deus (2ª Tm 3:12). Daí, Salomão, o sábio pregador, afirmar que seus escritos são corretos e verdadeiros (Ec 12:10).
Para Salomão, o temor do Senhor era: "Aborrecer o mal, a soberba, a arrogância, o mau caminho e a boca perversa" (Pv 8:13). Deste modo, entendemos que a maior demonstração de sabedoria feita por um pregador, não está na sua eloquência ou acúmulo de conhecimento, mas em aborrecer o mal e o pecado, vivendo em sinceridade e temor diante de Deus (At 23:1 ; 24:16). O temor de Deus, como princípio da sabedoria (Pv 1:7), pode ser definido como a prática correta da vida moral e espiritual (2ª Tm 3:16,17).
O apóstolo Paulo, escrevendo a Timóteo, adverte: "Procura apresentar-te diante de Deus aprovado, como obreiro que não tem de que se envergonhar, que maneja bem a palavra da verdade" (2ª Tm 2:15). O termo "maneja bem" tem seu equivalente grego "orthotomeo", que literalmente significa "cortar certo", trazendo a idéia da atividade dos lavradores que "aram em linha reta", ou a atividade de um alfaiate, que precisa cortar direito o tecido com que trabalha. Um bom pregador saberá como usar seus instrumentos para a execução de um bom trabalho, tal como o lavrador é habilidoso com o seu arado ou o alfaiate com a sua tesoura. O pregador saberá como pregar e ensinar a Palavra de Deus, defendê-la, aplicá-la a si mesmo e a outros e sofrer por ela (2ª Tm 2:26).
O sacerdote Esdras é um modelo para todos que se dedicam como pessoas ungidas por Deus a estudar, obedecer e ensinar a Palavra (Ed 7:10). O pregador deve, antes de cuidar da doutrina, cuidar de si mesmo e dos ouvintes (1ª Tm 4:16). Daí, Esdras ter vivido os mais altos padrões da fé judáica. Pregar e não viver o que se prega, é hipocrisia. Jesus fez veementes acusações aos religiosos da sua época, chamando-os de hipócritas (Mt 23:2,3).
O amor sem verdade é sentimentalismo, um sentimento sem responsabilidade. A verdade sem o amor não tem poder para mudar vidas, enquanto que o amor sem a verdade pode mudá-las na direção errada. Não basta ao pregador amar a verdade. Ele também precisa amar as pessoas a quem ministra (2ª Co 12:15).
Em Cristo,

                Tarcísio Costa de Lima

quarta-feira, 26 de janeiro de 2011

Eclesiastes 12:1-7 Amor e respeito aos anciãos!

Antes de chegar a idade avançada, Salomão recomenda aos jovens que se lembrem do seu Criador (Ec 12:1). Tendo a mente de Cristo, o jovem agirá de modo coerente, temerá a lei do Senhor e o resultado disto será uma vida longa e próspera (Pv 4:13 ; Dt 4:1). Em média, segundo estatísticas, os homens que chegam aos 60 anos podem esperar viver mais 15 anos, enquanto a mulher pode esperar viver mais 17 anos. Porém é Deus quem a palavra final sobre quanto tempo teremos ainda nesta vida (Sl 139:16).
Normalmente, o idoso pode ter um tempo de vida menor do que o jovem, se preocupa com o momento de sua partida; alimentando a sensação de que a qualquer momento Deus o chamará. O salmista Davi, aflito, orou a Deus: "Dá-me a conhecer, Senhor, o meu fim, e qual a soma dos meus dias, para que eu reconheça a minha fragilidade" (Sl 39:4-6). Nessa oração, observar-se um acentuado tom de ansiedade: viveria ele muito ou pouco tempo? No caso de Paulo, Deus o revelou que o tempo da sua partida estava próximo (2ª Tm 4:6-8). É na hora da morte, quando cessam as forças físicas, que devemos saber que Deus não nos abandonará (Sl 71:12,18). Quando isso vier acontecer, os anjos nos conduzirão à presença do Senhor (Lc 16:22).
O idoso teme a solidão; teme ser esquecido pelos parentes e amigos, vivendo seus últimos dias confiando num abrigo, esquecido dos filhos, netos e amigos. Ele sente necessidade de companheirismo (Ec 4:9-12). Quer conversar, compartilhar suas ansiedades e ter a certeza de que, se alguma coisa de súbito lhe acontecer, terá prontamente quem o acuda. Talvez fosse essa a preocupação de Davi quando orou: "Não me rejeites no tempo da velhice; não me desampares, quando se for acabando a minha força" (Sl 71:9,18).
Podemos imaginar o desgosto que o profeta Samuel sentiu quando os anciãos, alegando que já estava velho demais para continuar conduzindo a nação de Israel, pediram-lhe que providenciasse a escolha de um rei que o substituísse (1º Sm 8:5). Nem sempre a idade se constitui impedimento para a realização de algumas atividades. A história da humanidade revela grandes feitos realizados por mulheres e homens idosos: "Na velhice ainda darão frutos; serão viçosos e florescentes" (Sl 92:14). As árvores boas, mesmo velhas, continuam produzindo frutos.
Em Cristo,

                Tarcísio Costa de Lima

segunda-feira, 24 de janeiro de 2011

Eclesiastes 11:1-6 A generosidade!

Salomão fala da disposição que os cristãos devem ter a fim de praticar atos generosos em favor dos necessitados (Ec 11:1). Devemos contribuir liberalmente, pois é possível que um dia talvez nós mesmos venhamos a enfrentar uma grande necessidade (2ª Co 8:10-15). Contribuir, de modo sacrificial, fez parte essencial do ministério de Jesus Cristo aqui no mundo (2ª Co 8:9 ; Lc 12:15).
Salomão faz referência à maneira de semear trigo no Egito, quando se espalhavam sementes sobre as águas que inundavam seu território a cada ano, ocasião em que o rio Nilo transbordava. Aparentemente, os grãos semeados ficavam esquecidos e soterrados, mas no tempo exato surgia a colheita. O cristão tem a certeza de que aquilo que hoje semeia com zelo será grandemente abençoado no futuro (Hb 6:10 ; Ap 22:12).
Eclesiastes 11:1 ensina-nos a estabelecer bons empreendimentos, seja com recursos financeiros ou esforço pessoal. Incentiva-nos, também, a ser generosos para com os que padecem necessidades (Gl 6:9,10). A lei moral da colheita está sempre em harmonia com a da semeadura (Gl 6:7). Por isso, a pessoa generosa granjeia ampla recompensa (Mt 19:29), pois Deus é fiel em cumprir suas promessas para aqueles que investem no seu reino (Fp 4:19 ; 2ª Co 9:9).
Salomão faz um apelo à filantropia, ressaltando a prática de distribuir gratuitamente porções aos pobres, em ocasiões festivas (Ec 11:2 ; Ne 8:10). "Sete" como diz o sábio, analogicamente pode referir-se à perfeição; "oito" é além da obrigação (Lc 6:38). Jesus disse: "Se qualquer te obrigar a caminhar uma milha, vai com ele duas" (Mt 5:41). A primeira milha é a obrigação, a segunda é o amor (1ª Co 16:14).
Isto fala dos tempos de dificuldade quando se precisa de amigos e investimentos seguros. A necessidade pode vir ao que agora tem abundância (Fp 4:11-13). O escritor vive movido pela fé e pelo amor fraternal (1ª Co 13:1-8), honrando a Deus e ajudando o próximo. Assim estará preparado para qualquer calamidade ou prejuízo, porque contará com a providência de Deus (Fp 4:19).
A igreja deve ser caracterizada por um ministério de serviço. Cada membro deve agir como um servo da Palavra de Deus, compartilhando sua mensagem ousada e corajosamente. Não é uma tarefa fácil, pois a Palavra de Deus enfrenta violenta oposição, mas a igreja do Senhor não pode se acovardar diante dessa sua árdua, porém nobre missão (Mc 16:15). Em João 9:4, Jesus ressaltou: "Convém que eu faça as obras daquele que me chamou, enquanto é dia; a noite vem, quando ninguém pode trabalhar".
Em Cristo,

               Tarcísio Costa de Lima

sexta-feira, 21 de janeiro de 2011

Eclesiastes 10:2,3,12-15 A insensatez humana se opõe a Deus!

Salomão mostra a superioridade do sábio sobre o tolo. O tolo simplesmente tagarela e prejudica a si mesmo com o seu discurso. Daí o escritor dizer: "O coração do sábio está à sua mão direita, mas o coração do tolo está à sua esquerda" (Ec 10:2). No mundo antigo, estas direções tinham sentidos convencionais de bem e de mal ou de benção e de maldição.
Os estilos de vida de um homem e muitos de seus atos individuais revelam seu verdadeiro caráter, e isso mostra que os homens que anulam a sabedoria são insensatos: "E, até quando o tolo vai pelo caminho, lhe falta entendimento, e diz a todos que é tolo" (Ec 10:3). O tolo não pode encobrir a sua real natureza, pois, mais cedo ou mais tarde, deixará escapar, através de suas palavras, o que está no seu interior (Mt 12:34).
Muitas pessoas são sábias o suficiente para se diplomar em várias áreas do saber humano, todavia são incapazes de controlar suas próprias emoções. São nervosas, irritadiças, intolerantes e vivem sempre mal-humoradas. Foi pensando em pessoas assim, que o sábio Salomão escreveu: "Não te apresses no teu espírito a irar-te, porque a ira abriga-se no seio dos tolos" (Ec 7:9). O homem que facilmente perde o controle emocional mostra-se um insensato (Pv 14:17 ; 16:32 ; Tg 1:19).
O cristão, verdadeiramente humilde de espírito, está sempre com o coração preparado para buscar, cumprir e ensinar a lei do Senhor (Ed 7:10). Há um pensamento que diz que "O homem morre no dia em que desiste de aprender". O insensato julga não precisar aprender nada nesta vida, considerando-se extremamente sábio (Pv 12:15 ; Ec 9:17). O tolo prefere ouvir palavras de bajulação a ouvir a repreensão do sábio. Todavia, para Salomão: "Melhor é ouvir a repreensão do sábio do que ouvir alguém a canção do tolo" (Ec 7:5).
"Nas palavras da boca do sábio, há favor, mas os lábios do tolo o devoram" (Ec 10:12). O sábio toma precaução contra a injúria ou a maldade (Ec 10:11). Os tolos falam usando perversidade e vão para a perdição (Pv 10:32). A frase inicial deste verso: "Nas palavras do sábio", quer dizer tudo que é bom e útil. Em Salmo 45:2, lê-se: "Nos teus lábios se extravasou a graça; por isso, Deus te abençoou para sempre". A última parte do verso: "Os lábios do tolo o devoram", significa destroem a sua reputação.
Em Cristo,

                Tarcísio Costa de Lima

segunda-feira, 17 de janeiro de 2011

Eclesiastes 9:8-11 A excelência da vida cristã!

Salomão aconselha aos seus leitores a terem uma vida de santidade: "Em todo tempo sejam alvas as tuas vestes, e nunca falte o óleo sobre a tua cabeça" (Ec 9:8). O óleo refere-se à luz: "Porque a coroa do óleo da unção de seu Deus está sobre ele" (Lv 21:12). A luz que brilha da face de um cristão não deve ser obscurecida pelo pecado, prejudicando a sua comunhão com Deus.
"Vestes brancas e óleo sobre a cabeça são sinais de alegria e refere-se à vida santificada. Apocalipse 3:5 diz: "O que vencer será vestido de vestes brancas". Isto fala do revestimento espiritual que Deus dará aos que, fiel e puramente, se mantêm livres da contaminação do mundo (Is 1:8).
Sendo santo em sua natureza essencial, Deus espera que seus filhos também sejam santos (1ª Pe 1:15,16). Em Cristo está nossa sabedoria, justiça, santificação e redenção (1ª Co 1:30). Segundo o apóstolo Paulo, a santidade pode e deve ser aperfeiçoada: "Purifiquemo-nos de toda impureza, tanto da carne, como do espírito, aperfeiçoando a nossa santidade no temor de Deus (2ª Co 7:1). Os crentes são "raça eleita, sacerdócio real e nação santa" (2ª Pe 2:9).
Muitos pensam que santidade é sinônimo de severidade, no entanto Deus não proíbe alegrias e prazeres, desde que esses não os impeçam de serví-lo com integridade. Salomão atestou este fato ao dizer: "Alegra-te, jovem, na tua juventude, e recreie-se o teu coração nos dias da tua mocidade; anda pelos caminhos que satisfazem ao teu coração e agradam aos teus olhos; sabe, porém, que de todas essas coisas Deus te pedirá contas" (Ec 11:9). Deus requer apenas que desfrutemos do prazer e da alegria com responsabilidade e santo temor (Hb 12:28).
Paulo enfatiza o caráter tríplice da santificação ao escrever: "O mesmo Deus da paz vos santifique em tudo; e o vosso espírito, alma e corpo sejam conservados íntegros e irrepreensíveis na vinda do nosso Senhor Jesus Cristo" (1ª Ts 5:23). A santificação será terminada nos remidos, envolvendo-lhes o corpo, a alma e o espírito, ou seja, o homem inteiro.
Nada existe no homem que possa escapar ao poder santificador de Deus.
O tempo e a sorte lembram que todas as circunstâncias da vida estão nas mãos de Deus. As questões e a duração da vida são também altamente imprevisíveis. Ninguém pode garantir seu sucesso ou antever como Deus o tratará. Salomão descreve as pessoas como vítimas de um destino inescrutável. Não obstante, o crente compreende que Deus ordena os acontecimentos de acordo com sua vontade soberana.
Em Cristo,

               Tarcísio Costa de Lima

quinta-feira, 13 de janeiro de 2011

Eclesiastes 8:10-14 O destino do pecador!

Deus não revelou ao homem como compreender todas as complexidades da vida, mas instrue a desfrutá-la como uma dádiva (Ec 2:24). Embora as desigualdades nas sociedades humanas sejam uma das grandes contradições do mundo, Deus, certamente, ajustará todas as contas com justiça: "Porque Deus há de trazer a juízo todas as obras, até as que estão escondidas, quer sejam boas, quer sejam más" (Ec 12:14).
"Assim também vi os ímpios sepultados, e eis que havia quem fosse à sua sepultura; e os que fizeram bem e saíam do lugar santo foram esquecidos na cidade; também isso é vaidade" (Ec 8:10). Com a frase: "Os ímpios sepultados", Salomão se refere aos incrédulos que são enterrados com homenagem e pompa, mas condenados espiritualmente. Estavam no templo, pareciam religiosos e dali foram para a condenação (Mt 7:21-23).
No mundo atual, comumente parece que o mal triunfa e os pecadores escapam ilesos, sem castigo (Sl 73). Deus, porém, nos assegura que chegará o dia do justo castigo dos malfeitores. Todavia, o Senhor dá tempo para que os ímpios se arrependam: "O Senhor não retarda a sua promessa, ainda que alguns a têm por tardia; mas é logânimo para convosco, não querendo que alguns se percam, senão que todos venham a arrepender-se" (2ª Pe 3:9). Deus não tem prazer na morte do ímpio (Ez 33:11).
Quando a justiça não é rapidamente executada, o aspecto restritivo da sentença é diminuido: "Visto como se não executa logo a sentença sobre a má obra, o coração dos filhos dos homens está inteiramente disposto a praticar o mal" (Ec 8:11 ; Rm 3:10-23). A justiça permanece, embora as piores iniquidades prevaleçam. Mas, afinal, chegará uma justa retribuição a todos. Então a iniquidade será julgada e a justiça vindicada (Ec 12:13 ; Ap 14:7).
A maldade do ímpio pode ser grande, e sua vida prolongada, mas há uma certeza de que os que "temem a Deus" tem segurança e felicidade. Salomão fala que: "Ainda que o pecador faça mal cem vezes, e os dias se lhe prolonguem, eu sei com certeza que bem sucede aos que temem a Deus" (Ec 9:12). Ele desperta a idéia de uma vida gloriosa após a morte para os piedosos (Jo 14:1,2). Isto significa que o homem piedoso tem esperanças além da sepultura (1ª Ts 4:13-18). Para o ímpio a morte será o seu fim (Hb 9:27).
Em Cristo,

                Tarcísio Costa de Lima

quarta-feira, 12 de janeiro de 2011

Eclesiastes 7:1-9 O valor das complexidades da vida!

Eclesiastes 7 fala dos vários aspectos da vida que causam tristeza e sofrimento. Sete frases, em forma de provérbios, começam com as palavras "melhor do que". Aprendemos com Salomão que há uma possibilidade de instrução nos sofrimentos e que Deus permite que a vida se consista tanto de bem como de mal, de modo que o homem não pode, de modo absoluto, determinar seu próprio futuro.
O ser humano necessita refletir sobre a morte, se preparando para a eternidade. As esperanças do homem, na maior parte das vezes, estão ligadas à prorrogação progressiva da morte e ao sonho de seu eventual banimento. No entanto, Salomão diz que diante da morte é mais fácil lembrar da necessidade de preparar-se para o juízo de Deus (Ec 7:4).
Para os judeus o nome estava ligado ao caráter da pessoa, algo que expressava a identidade do próprio ser humano. O caráter interior é mais crucial do que a fragrância exterior. Um homem sábio valoriza a boa reputação, evitando coisas que o desmoralize perante a sociedade (At 6:3,4 ; 1ª Tm 3:1-6).
O dia da morte tem mais a nos ensinar do que o dia do nascimento; suas lições são mais concretas e vitais. No nascimento o ambiente é de excitação e expansividade, não sendo apropriado pensar na brevidade da vida ou nas limitações humanas. Na casa onde há luto o ambiente é sério e a realidade torna-se mais evidente. A morte do cristão é melhor do que o dia do seu nascimento, porque marca o começo de uma vida melhor, junto a Deus (Fp 1:21-23).
Na casa do luto, o homem torna-se mais autêntico, pois vê o que a vida realmente é: um vapor (Tg 4:14). Onde há banquete, existe a tentação de esquecer-se de Deus mediante a distração e o prazer momentâneo. Diante da morte é mais fácil lembrar o fim de cada um e a necessidade de preparar-se para o juízo de Deus. A morte faz-nos refletir sobre a vida: "Ensina-nos a contar os nossos dias de tal maneira que alcancemos coração sábio" (Sl 90:12).
Em Cristo,

                Tarcísio Costa de Lima

terça-feira, 11 de janeiro de 2011

Eclesiastes 6:1-7 O ativismo não preenche o vazio da alma!

Salomão diz que "todo trabalho do homem é para a sua boca, e, contudo, nunca se satisfaz a sua cobiça" (Ec 6:7). Ele insiste em um ponto tão real para o homem moderno em sua rotina industrial quanto o era para o lavrador primitivo que mal tirava da terra o seu sustento.
Salomão faz da boca uma representação metafórica de todos os desejos e apetites dos homens. O trabalho é aqui apresentado como uma tentativa para somente satisfazer os apetites, o que não é um objetivo muito nobre. O homem rico tendo muito mais que simplesmente o alimento necessário, não está em condições melhores que o homem que trabalha arduamente, apenas para comer. Todavia, vale ressaltar, que Salomão destaca a idéia de um labor digno ser recompensado na outra vida, fato que é tão importante para o Cristianismo (1ª Co 15:58 ; Hb 6:10 ; Ap 22:12).
O trabalho terreno, por si mesmo, não preenche o vazio da alma (Ec 1:8 ; 6:7b). O apóstolo João afirma: "Porque tudo o que há no mundo, a concupiscência da carne, a concupiscência dos olhos e a soberba da vida, não é do Pai, mas do mundo" (1ª Jo 2:16). A cobiça se define como o desejo desordenado de adquirir coisas, posição social, fama, proeminência secular ou religiosa. Pode incluir também a tentativa de apossar-se do que pertence ao próximo (Ex 20:17). Jesus repudiou o espírito ganancioso (Mt 7:22).
Além destes males, a cobiça promove também a desonestidade contra o próximo (2ª Pe 2:3,14). Salomão escreveu que: "Melhor é a vista dos olhos do que o vaguear da cobiça..." (Ec 6:9). O vaguear ou andar ocioso significa viver separado de Deus. Os ambiciosos que só buscam os lucros materiais nunca se satisfazem (1ª Tm 6:9).
Em Cristo,

                 Tarcísio Costa de Lima

segunda-feira, 10 de janeiro de 2011

O cristão e os sonhos!

Segundo Salomão, os sonhos se derivam das atividades em que uma pessoa se dedica durante o dia: "Porque dos muitos trabalhos vêm os sonhos, e do muito falar, palavras néscias" (Ec5:3). Entretanto, o Antigo Testamento reconhece que, qualquer que seja sua origem, um sonho pode tornar-se um meio pelo qual Deus se comunicava com os homens, quer fossem seus servos (1º Rs 3:5) ou não (Gn 20:3-7).
As muitas atividades durante o dia provocam uma noite repleta de sonhos. Os sonhos excessivos visam aliviar a mente das ansiedades do dia. O sonho é uma atividade mental que emprega o armazenamento de percepções gravadas no cérebro, envolvendo a memória e reconstruindo cenas (Sl 3:5). O cérebro idealiza coisas, adicionando detalhes às informações capturadas pelos olhos.
Os sonhos fazem parte de nossa espiritualidade (Sl 4:8). Assim, os jovens vêem visões, e os homens de mais idade têm sonhos (Jl 2:28), mas com hipótese de uma mesma finalidade: comunicar alguma mensagem espiritual (At 2:17). É certo, também, que nem todos os sonhos são uma comunicação divina. Alguns deles são apenas cumprimento de anseios. Outros resultam apenas de estímulos físicos, como após uma refeição exagerada. Todavia, a Bíblia relata que muitos sonhos envolvem instruções e revelações espirituais, como o sonho de Jacó (Gn 28:12 ; 31:11); de José (Gn 37:5 ; 41:1); de Daniel (Dn 1:7 ; 2:1).
Pesadelos são sonhos que trazem aflição ou sensação de angústia, muitos dos quais ocasionados após uma pessoa ter assistido a um filme de terror. Há pesadelos, porém, que além de serem obsessões que amedrontam acabam também oprimindo a pessoa (Sl 91:5). Muitas destas manifestações de distúrbios do sono são decorrentes de forças demoníacas que lutam para roubar a paz de alguém. Os cristãos, quando vitimados por pesadelos opressores, devem buscar a Deus em oração, a fim de que não percam a tranquilidade e a paz interior (Is 26:20).
Em Cristo,

                  Tarcísio Costa de Lima 

Eclesiastes 5:1-6 Reverenciando a Deus!

O cristão sábio se mostra cauteloso quanto às práticas religiosas. Terá cuidado em realizar votos, mas também será cuidadoso em não fazer votos insensatos que o prejudiquem. Estas, dentre outras questões, incluindo a atitude de adoração apropriada, nos são fornecidas por Salomão, em forma de conselhos.
O cristão que teme ao Senhor, certamente se comporta com reverência na casa de Deus, e não com desrespeito. Precisamos estar espiritualmente preparados antes de adentrar a casa do Senhor, de modo que estejamos em condições de ouvir a sua voz e obedecer (Hb 3:7,8).
Em Eclesiastes 5:1, encontramos conselhos sobre o culto apropriado: "Guarda o teu pé, quando entrares na Casa de Deus; e inclina-te mais a ouvir do que oferecer sacrifícios de tolo". Salomão está expondo que devemos ter consciência do que fazemos quando vamos à casa de Deus. Ele não está se referindo somente à ida ao templo para ouvir a exposição da Lei, como também advertindo quanto a maneira de adoração a Deus (Hb 12:28).
Devemos nos inclinar mais a ouvir do que a falar (Ec 5:1,2). O apóstolo Tiago faz-nos esta mesma recomendação: "Sabeis isto, meus amados irmãos; mas todo homem seja pronto para ouvir, tardio para falar..." (Tg 1:19). Embora a comunidade cristã dê muito valor ao talento da eloquência, Tiago coloca a ênfase sobre o ouvir. Aquele que ouve atentamente a Palavra da Verdade progride na piedade (Tg 1:26). "O que guarda a boca conserva a sua alma, mas o que muito abre os lábios a si mesmo se arruína (Pv 13:3 ; 10:19). O cristão deve orar para que Deus o ajude a controlar a língua (Tg 3:2-13 ; Sl 141:3).
Depois de declarar que a conversa descuidada pode estragar nossa motivação pela retidão e levar-nos a pecar, Salomão fala também que "não devemos oferecer sacrifícios de tolos" (Ec 5:1,6). Quando estamos na casa de Deus, não podemos permitir que um falso entusiasmo nos leve a oferecer sacrifícios tolos, ou seja, que façamos um voto errado, onde não podemos cumprir, ou que nos prejudique. Salomão diz que é melhor não votar, do que votar e não cumprir (Ec 5:4,5).
Em Cristo,

                 Tarcísio Costa de Lima

Eclesiastes 4:8-14 Cultivando amizade cristã!

Um recurso para o problema das tristezas e da solidão é encontrado nas bençãos do companheirismo. Os laços de união, amizade e comunhão religiosa são melhores que a solidão. O companheirismo ajuda a remover as dificuldades. Pela cooperação, muitas vezes vem o bom resultado nas atividades. O companheirismo tem muitas vantagens, pois Deus não nos criou para viver isolados uns dos outros (Pv 18:1).
A maior parte da vida humana é passada em contato com outras pessoas, seja por escolha, seja por imposição das circunstâncias. Relacionamo-nos com os familiares, amigos e as pessoas que nos oferecem ou a quem prestamos serviços (Is 41:6).
"Melhor é serem dois do que um, porque têm melhor paga do seu trabalho..." (Ec 4:9). Um investimento feito em conjunto geralmente tem uma melhor base de capital e, assim, uma maior chance de sucesso. Se um dos sócios for bem-sucedido, o outro pode compartilhar do fruto do seu trabalho. Se, todavia, ele falha, terá seu sócio para ajudá-lo. Ninguém triunfa sozinho, daí o próprio Jesus ter enviado seus discípulos de dois em dois, para realizarem a sua obra (Lc 10:1,9).
"Porque, se um cair, o outro levanta o seu companheiro; mas ai do que estiver só; pois, caindo, não haverá outro que o levante" (Ec 4:10). Se houver um acidente físico, material ou espiritual, o auxílio do companheiro será importante. O pensamento aqui vai além de um acidente comum; pode ser um lapso, um engano ou uma queda moral. Em qualquer caso de falha ou carência, a presença do amigo ajuda ou ameniza a situação (Gl 6:1).
"Também, se dois dormirem juntos, eles se aquentarão; mas um só como se aquentará?" (Ec 4:11). A idéia do calor pode ser aplicada a toda boa relação humana, porém, a idéia óbvia aqui, é de matrimônio entre marido e mulher (Gn 2:23,24). Quando o casal se ama de verdade, um oferece assistência ao outro nas dificuldades. Mais adiante Salomão escreve que: "o cordão de três dobras não se quebra tão depressa" (Ec 4:12). Muitos comentaristas acreditam que Salomão se refere ao marido e a mulher, que se tornam mais fortes ao terem um filho herdeiro. "Um cordão com três fios aguentará tensão maior do que aquele que só tem dois" (Sl 128:1-6). Há quem diga que o "terceiro fio" da corda representa Deus entre o casal (Ef 5:25-33).
Em Cristo,

                  Tarcísio Costa de Lima

sexta-feira, 7 de janeiro de 2011

Culto nos Lares!

O culto doméstico visa arrebatar pessoas que caminham para o fogo do inferno, razão pela qual não devemos ficar surpresos quanto aos ataques do príncipe das trevas.

Assim sendo, o desejo do meu coração é que o material contido neste artigo possa ajudá-lo a compreender o propósito de Deus para a sua vida e ministério, pois acredito que cada membro é um “ministro” em potencial. Temos como alvo através de Culto nos Lares, que cada membro possa descobrir que tem valor, e que pode trabalhar na seara do Senhor.
A palavra “oikos” (- casa – no N. T.) aparece 107 vezes, das quais seis vezes referem-se a Culto nos Lares, usando uma casa para reunir-se periodicamente.
• Atos 5.42: A casa do convertido era usada como local de Adoração e Ensino, identificando-o como cristão na sua comunidade.
• Atos 20.20: Um programa equilibrado contém tanto a reunião de um grande grupo (templo), quanto a de um grupo pequeno reunido no lar.
• Romanos 16.5: Priscila e Áquila tiveram cultos em sua casa.
A igreja cristã de Roma era composta destes vários cultos nos lares.
• I Coríntios 16.19: Aqui temos Áquila e Priscila em Éfeso, com uma igreja em sua casa novamente.
Durante a semana a igreja se reunia nas casas e no dia do Senhor a grande celebração da festa do amor.
• Colossenses 4.15: Uma parte da igreja da cidade de Colossos se reunia na casa de Ninfa.
• Esta foi a fase da igreja cristã, onde houve o maior crescimento.
Creio que uma das razões era que a mensagem não estava desassociada da vida cotidiana dos seus membros. O alvo do culto doméstico é a família e vizinhança.
Hoje a média é de 3 a 4 pessoas numa família, sem nenhum parente por perto, por isso a vizinhança também entra no plano de evangelismo do culto doméstico. Peça à pessoa que cedeu a casa para o culto que convide seus vizinhos e amigos para este culto.
E no dia imediato chegaram a Cesaréia. E Cornélio os estava esperando, tendo já convidado os seus parentes e amigos mais íntimos. (Atos 10 : 24)
A Vizinhança: Há 50 anos, as pessoas viviam na mesma vizinhança por toda a vida, conhecendo e sendo conhecida.
Hoje a média é de uma mudança a cada cinco anos, tendo uma vizinhança totalmente estranha. Os grandes prédios produzem ainda maior distanciamento que as comunidades dos bairros. Mas a igreja pode e deve vencer esta barreira convidando seus vizinhos para o culto doméstico. Incentive os membros de sua igreja a fazer amizade na vizinhança, isso facilitará o convite. O versículo abaixo vai falar de um homem que tinha bom testemunho! Um crente com bom testemunho não terá problema em convidar alguém para um culto em sua casa!
E eles disseram: Cornélio, o centurião, homem justo e temente a Deus, e que tem bom testemunho de toda a nação dos judeus, foi avisado por um santo anjo para que te chamasse a sua casa, e ouvisse as tuas palavras. (Atos 10 : 22)
A Igreja e a família: Até a década de 60, a igreja era o centro da vida do seu membro e de sua família, do nascimento ao sepultamento. Hoje as coisas mudaram e precisamos incentivar a ida do povo à igreja ou até mesmo levar a igreja à casa da pessoa, e é ai que entra o culto doméstico. Há muitas possibilidades fora da igreja explore todas! A propósito o termo igreja vem do grego Eklésia que quer dizer tirados para fora.

O que é um Culto nos Lares?

O Culto nos Lares é uma reunião cristã intencional, com número reduzido de pessoas, que acontece regularmente em lares diversos ou repetidamente no mesmo lar, com o propósito comum de pregar o evangelho ou agradecer (ação de graças) onde cada crente descobrirá e crescerá numa vida abundante em Cristo.

Cuidados devidos em cultos nos lares.

• O dirigente responsável por estes cultos deve ter alvos, propósitos e objetivos muito claros de gerar novos crentes, e deve fazer isto com muita maturidade.
• Quando a igreja for numerosa será importante não levar muita gente a estes cultos para não por a pessoa dona da casa em apuros ou deixá-la preocupada quanto a acomodações.
• O horário destes cultos é de suma importância tanto para o início quanto para o término. O dirigente responsável deve ser rigoroso na observação deste pormenor. Minha experiência é que este culto deva começar depois das 20:00 horas quando ocorrer em dias de semana porque assim as pessoas da casa já terão tido tempo para jantar e preparar a casa para recepcionar os convidados e deve terminar as 21:00 horas para não transtornar a rotina das pessoas da casa.
• Quando o culto for se repetir no mesmo lar, fica a critério do dirigente em comum acordo com o dono da casa se a reunião acontecerá semanalmente, quinzenalmente ou mensalmente, de acordo com o propósito, necessidade e possibilidade dos membros que compõem o grupo.
• O pregador do culto nos lares não deve em hipótese alguma atentar contra a fé das pessoas daquela casa, falando contra sua crença suas imagens ou coisa desse tipo, o objetivo do culto nos lares é pregar Jesus e não converter alguém pela força.
• O pregador do culto nos lares não deve estender a preleção para não cansar o ouvinte.
• Um apelo deverá ser feito sempre ao final de cada culto.
• Uma oração pelas pessoas da casa deverá ser feita sempre ao final de cada culto.
• Esta oração deverá ser ministrada por um Pastor, caso haja um presente, e não havendo segue-se na escala hierárquica para baixo, (Evangelista, Presbítero, Diácono, Cooperador). • É necessário vigiar muito quanto a quem se dá oportunidades nestes cultos para não ocorrer o contrário do que já dissemos acima.
• O dirigente dos cultos nos lares deve instruir previamente os participantes que as oportunidades devem ser breves e objetivas, visando sempre levar aos ouvidos do pecador a salvação em Cristo Jesus.

“E em nenhum outro há salvação, porque também debaixo do céu nenhum outro nome há, dado entre os homens, pelo qual devamos ser salvos” ( Atos 4:12 ).

•Deixar um folheto evangelístico para as pessoas da casa com endereço da igreja ao término do culto é sempre uma ótima idéia! Evangelizar a vizinhança com folhetos onde haja o endereço da igreja, antes após ou enquanto ocorre o culto no lar, é também é uma ótima idéia!
• Mulheres cheias do espírito Santo bem como homens são muito bem vindos a este tipo de trabalho, pois são a salvação em casos caóticos como os de possessão demoníaca e outros. (Você verá na prática)
• O uso de aparelhos sonoros, como caixas de som, guitarras etc. somente com permissão do dono da casa, pois pode ser que ele (a) se sinta constrangido ao perturbar a vizinhança com o barulho.
• Em caso do uso de aparelhos sonoros é de suma importância que o volume não exceda os limites de conforto para os ouvidos, o bom senso vai dizer qual o volume ideal. Caro dirigente responsável, esteja muito atento a este item, dele dependerá o sucesso do culto e o possível retorno ao lar.
• Os membros da igreja promotora do culto nos lares devem ter o objetivo e o acordo de praticar os procedimentos descritos neste manual para alcançarem o sucesso neste trabalho tão maravilhoso e não exporem o nome de Jesus ao ridículo.
• Os cultos nos lares devem ser abertos àqueles que não são convertidos e que desejam ter uma vida em Cristo, (afinal eles são nosso alvo). Se a residência for de fácil acesso à rua, obreiros preparados e cheios do Espírito Santo deverão se posicionar na porta de entrada ou portão para evitar entrada de pessoas indesejadas e garantir certa segurança ao evento. (Na prática você vai saber do que eu estou falando).
• Os cultos nos lares devem ser abertos também àqueles que são convertidos e que desejam uma vida cristã mais profunda. A vida abundante em Cristo e salvação são os propósitos de cada culto nos lares. Claro que este manual não pretende ser a solução dos problemas de culto nos lares nem quero dizer que tudo ocorrerá sem falhas só porque você seguiu o que está escrito aqui, pois o culto nos lares é algo que depende de Cristo e sua atuação sobrenatural, mas se seguir você será muito bem sucedido.

Vantagens dos cultos nos lares para a igreja local :

• Ela vai crescer com certeza, tanto em quantidade quanto em qualidade!

• Os Cultos nos Lares criam a possibilidade de atingir as necessidades de outros.
• Nos cultos nos Lares Deus trabalha em nossas vidas através dos outros. • Este tipo de trabalho é uma excelente se não a melhor forma para evangelizar.
• Fará com que a igreja produza um testemunho de evangelização em seu bairro. Dificuldades dos cultos nos lares para a igreja. Hoje a tendência é de relacionamentos superficiais, cabe ao pastor local ensinar à igreja a necessidade de relacionamentos profundos e de amizade para que a pessoa que cedeu o lar se sinta amada. Não há um modelo para isso, faça o melhor que puder. O sucesso dos cultos nos lares dependerá muito de um dirigente motivado internamente que seja cheio do Espírito Santo e que ouça o clamor das almas. O dirigente dos Cultos nos Lares precisa estar convicto do seu “Chamado Divino”, pois a sua motivação terá que vir de Deus. Lembre-se que você estará entrando e influenciando as vidas de outras pessoas, seja agradável, ser agradável não quer dizer absolutamente deixar de falar a dura verdade de Deus, mas falá-la com amor! Os Cultos nos Lares expõem cada pessoa que dele participa, revelando o nível de compromisso, espiritualidade e amor pelas almas que cada membro tem. Queria usar este tópico para dizer que aquele cafezinho, chazinho etc. após o culto devem ser combatidos (salvo por insistência do anfitrião) para não gerar nenhuma espécie de compromisso ou despesa por parte de quem cede a casa. Os Cultos nos Lares são uma experiência indubitavelmente enriquecedora, expresse seu entusiasmo, pois ao expressarmos o nosso entusiasmo, outros membros do grupo serão influenciados e transmitirão este entusiasmo a outros.

O objetivo do Culto nos Lares é gerar novos crentes e amadurecer os demais num ambiente favorável ao cumprimento da missão e da comunhão. Cultos nos lares é Missão!

Algumas necessidades do culto nos lares:

1. Espírito de equipe (O grupo é meu e eu sou do grupo).

2. Transparência (Expor qualidades e defeitos com todo o respeito é claro).

3. Influência (Ajudar outros a crescer).

4. Maturidade (Produzir crescimento).

5. Dois componentes são absolutamente imprescindíveis na formação de um bom ambiente. O primeiro é entusiasmo e o segundo é o amor. “Sem ambiente as coisas acontecem por mero acidente”.

Um grupo com comunhão

Ter alguém que nos ouça, nos compreenda e nos estimule é um tesouro de inestimável valor. Este é um dos objetivos pelos quais Deus nos chamou para fora de um mundo cheio de desamor e nos transportou para o reino do Filho do Seu Amor. (Cl. 1:13) expresse este amor com gestos e palavras e daqui a pouco você não terá mais como comportar as pessoas nos lares de tantos que serão aqueles que quererão te seguir!

A igreja foi constituída para, entre outras coisas, mostrar o calor da presença de Deus para os irmãos em Cristo e também para o mundo tão carente desse calor humano.

• O dirigente dos cultos nos lares deve produzir o melhor ambiente possível. Dar exemplo de comunhão e ir à frente na execução da missão.
• Qual o ambiente ideal para o Culto nos Lares? • O que deve acontecer no culto no lar? Perguntas como estas feitas à igreja farão com que você descubra o nível de conhecimento que a igreja tem a respeito desse tipo de trabalho.

Caso não descubra passe uma cópia desse manual para cada pessoa que sai ao campo com você! O nosso alvo, é que os Cultos nos Lares viabilizem o discipulado, colocando os crentes em ação, fora do templo! Aquela velha idéia da dependência do Pastor (embora reconhecidamente, sua ajuda é de fundamental importância) deve ser combatida, pois missão se faz com cada crente.

Agora você está pronto, comece então sem demora os cultos nos Lares! Porém antes de você começar quero perguntar? Você lê a Bíblia? Ela é seu livro de cabeceira? Ou você só a pega quando vai para a igreja?

• O que devo fazer para me preparar bem para este início?

• Ore, jejue, leia a Bíblia e mãos à obra!

Qualidades que o dirigente dos Cultos nos Lares Deve ter.

O primeiro dever do dirigente dos Cultos nos Lares é ser modelo dos discípulos!

Conserva o modelo das sãs palavras que de mim tens ouvido, na fé e no amor que há em Cristo Jesus. (II Timóteo 1 : 13).
Ninguém despreze a tua mocidade; mas sê o exemplo dos fiéis, na palavra, no trato, no amor, no espírito, na fé, na pureza. (I Timóteo 4 : 12)

• Ter vida devocional (Bíblia e Oração).

• Bom relacionamento familiar.

• Bom envolvimento com a Igreja local.

• Compromisso com discipulado.

Pessoas são a nossa matéria-prima. Temos que aprender a trabalhar com elas e amá-las. Para tanto, o dirigente dos cultos nos lares deve ser dedicado às pessoas. Finalizando sabe o que é o melhor desse manual? É saber que os dirigentes dos Cultos nos Lares não nascem prontos, eles são desenvolvidos e equipados. Deus não somente usa pessoas preparadas, mas prepara pessoas para usar! Aleluia!

Busque sempre o aperfeiçoamento.

• Saiba ouvir – Tiago 1.19.
• Fazer boas perguntas (exemplo de Jesus).
• Aperfeiçoar a participação do grupo nos cultos.
• Familiarizar-se com o nível espiritual em que está o grupo que te ajuda.
• Transmitir ânimo a ele.
• Comunicar cuidado, calor humano e confiança, jamais use palavras que vão baixar o moral do grupo sempre seja otimista, quando estiver em dificuldades busque ajuda do Pastor e principalmente do Sumo Pastor Jesus Cristo.
• Preparar-se bem para as reuniões
• Treine futuros dirigentes que possam te substituir!

Que Deus te abençoe muito nesta tarefa, eu creio que Deus te chamou, e você o que pensa sobre isto?

Responda para sua edificação:

Deus tem te chamado para fazer parte da liderança de Cultos nos Lares?

( ) sim ( ) não

Por que Evangelizar nos lares?

1. Este modelo de evangelismo foi praticado e proposto por Jesus aos seus discípulos e apóstolos (Lc 10.1-11):

Jesus comissionou seus seguidores à prática do evangelismo de casa em casa. Ele mesmo foi um praticante desse tipo de evangelismo. Diversos personagens do Novo Testamento tiveram suas vidas mudadas por Jesus depois da visita dele em suas casas: Zaqueu (Lc 9.5-11); Lázaro (Jo 12.21;Lc 10.38-48);
Esse método, depois da pregação ao ar livre, muito praticado por Jesus, foi um dos grandes responsáveis pela propagação do Reino de Deus nos tempos do Novo Testamento.

2. Vivenciado pelos apóstolos e discípulos (At 5.42; 20.20):

Os apóstolos e discípulos de Jesus cumpriram à risca as ordens de Jesus para levar o Evangelho de casa em casa. Eles foram constantes na prática de visitas e cultos nos lares dos salvos e dos que haviam de ser salvos pela pregação da Palavra de Deus. Paulo sabia o valor do evangelismo no lar e não perdeu nenhuma oportunidade de ganhar vidas para Jesus (At 10; 16.31-34).

3. Foi a base para a comunhão e o crescimento da Igreja primitiva (At 2.46; 5.42):

O evangelismo nos lares além de proporcionar salvação é uma ferramenta de comunhão da Igreja. Através dos cultos nas casas dos irmãos, muitas pessoas são salvas, o Senhor é glorificado e a igreja experimenta a verdadeira comunhão.

Prática:

- A realização de visitas e cultos nos lares são oportunidades indispensáveis para salvação de vidas, participe sempre que possível, esteja atento as atividades de sua igreja e faça a obra do Senhor;

Faça de uma casa um núcleo missionário, onde as pessoas poderão conhecer a Cristo e desfrutar da comunhão da Igreja e adorar a Deus;

Que Deus possa abençoar a todos quanto desejarem ser recebidos como bem aventurados, como verdadeiros pescadores de almas, que o desejo por almas seja mais atuante do que simplesmente ser um líder ou qualquer outro status que em nada nos justificará diante do bom Mestre se formos achados de mãos vazias, sendo assim cumpramos o ide com zelo e amor.
Em Cristo,

                Tarcísio Costa de Lima